Saúde

Esclerose múltipla: Novo fármaco aprovado nos EUA

O Tecfidera, novo tratamento oral para a esclerose múltipla, já foi aprovado nos EUA e recebeu o parecer positivo do Comité de Medicamentos de Uso Humano da Agência Europeia do Medicamento.
Versão para impressão
O Tecfidera, novo tratamento oral para a esclerose múltipla, já foi aprovado nos EUA e recebeu o parecer positivo do Comité de Medicamentos de Uso Humano da Agência Europeia do Medicamento. O novo fármaco ajuda a reduzir os surtos e a atrofia cerebral, dois dos efeitos desta doença.

Após análise dos dados de Eficácia, Segurança e Qualidade submetidos pela farmacêutica Biogen Idec, ambas as autoridades dos EUA e da Europa concluíram que o Tecfidera apresenta um perfil benefício-risco favorável.


No caso da Europa, a opinião do Comité de Medicamentos de Uso Humano (CHMP) vai agora ser enviada para a Comissão Europeia (CE) que deverá emitir a Autorização de Introdução no Mercado dentro de cerca de dois meses. No caso dos Estados Unidos da América, o Tecfidera já está disponível para os doentes com Esclerose Múltipla.
 
De acordo com a a neurologista Ana Martins, do Hospital de Santo António, citada em comunicado de imprensa, “este novo fármaco é indicado para doentes com Esclerose Múltipla, na forma de surto-remissão. Para além da comodidade de administração, uma vez que é um fármaco oral, tem como principal inovação o mecanismo de ação,  pois atua ao nível do stress oxidativo, um dos mecanismos implicados na inflamação e lesão neurológica na Esclerose Múltipla”.

A aprovação da FDA e a opinião do CHMP são baseadas nos dados de um extenso programa de desenvolvimento clínico que incluiu dois ensaios de fase 3 e que envolveram mais de 2.600 doentes com EM surto-remissão, bem como um estudo de seguimento, a longo prazo, que inclui doentes seguidos há mais de quatro anos. 

De acordo com o diretor do Serviço de Neurologia do Hospital Fernando da Fonseca, Vasco Salgado, esta notícia ”constitui uma significativa mais valia no tratamento da Esclerose Múltipla. Trata-se de um fármaco com uma eficácia significativa, na redução de surtos e da atrofia cerebral e na evolução da incapacidade motora. Igualmente importante do ponto de vista do doente, associa a comodidade de se tratar de um medicamento oral”.
 

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close