Ciência

Equipa liderada por português descobre nova galáxia

David Sobral, professor na Universidade de Lancaster, lidera a equipa internacional de astrofísicos que esta semana anunciou a descoberta de uma galáxia que pode ter sido determinante na formação do universo tal como o conhecemos.
Versão para impressão
David Sobral, professor na Universidade de Lancaster, no Reino Unido, lidera a equipa internacional de astrofísicos que esta semana anunciou a descoberta de uma galáxia que pode ter sido determinante na formação do universo tal como o conhecemos.

A descoberta foi anunciada no National Astronomy Meeting 2016, um encontro de astrónomos que decorre de 27 de Junho a 1 de Julho na Universidade de Nottingham, no Reino Unido.  A galáxia chama-se VR7 em homenagem a Vera Rubin, astrofísica norte-americana e a primeira mulher, em 150 anos, a ganhar uma medalha de ouro pela Royal Astronomical Society.

“O que é surpreendente é que estas galáxias são muito mais numerosas do que se pensava, e apresentam uma diversidade intrigante. Quando telescópios como o Telescópio Espacial James Webb estiverem a funcionar, seremos capazes de olhar com mais atenção para esses objetos intrigantes. Raspámos apenas a superfície, pelo que os próximos anos certamente nos reservam novas e fantásticas descobertas”, comenta David Sobral num comunicado emitido pela organização do encontro.

Descoberta revoluciona astronomia

Em 2015 a equipa liderada pelo astrofísico português também foi responsável por um anúncio semelhante que revolucionou o campo da astronomia: a descoberta da galáxia CR7 (abreviatura para Cosmos Redshift 7).

A descoberta foi o primeiro exemplo de uma galáxia espetacularmente luminosa pertencente à Época da Reionização – que os investigadores pensam albergar estrelas da altura do universo primordial.

A VR7 faz parte do mesmo leque de galáxias da CR7. A galáxia – a quinta descoberta do género – pode ter contribuído para mudar o universo primordial para o universo que conhecemos hoje, atuando na criação de elementos químicos pesados (necessários para a formação de estrelas como o Sol). Ambas são suficientemente brilhantes para terem contribuído para esta revolução do universo – conhecida por Época da Reionização.

As descobertas de Sobral e da sua equipa foram feitas com recurso aos telescópios Subari e Keck, no Hawaii, e ao Very Large Telescope no Chile, em conjunto com um grupo de investigadores norte-americanos.

"Os nossos resultados sublinham quão difícil é estudar as pequenas fontes [de luz] débeis no universo primordial. Os blocos neutros de gás hidrogénio bloqueiam alguma da sua luz, e por não serem capazes de construir as suas próprias bolhas tão rapidamente como as outras galáxias brilhantes, são muito mais difíceis de detetar", comenta Sérgio Santos, investigador português e membro da equipa de David Sobral.

Os resultados serão publicados no jornal Monthly Notices da Royal Astronomical Society.

Como se transformou o universo

O universo primordial refere-se ao estado do universo há aproximadamente 13 mil milhões de anos atrás, 150 milhões de anos após o Big Bang. A comunidade científica crê que na altura o universo era completamente opaco à luz ultravioleta, cuja passagem era bloqueada por gás hidrogénio.

A época da reionização refere-se à altura em que o universo foi transformado pela luz ultravioleta das primeiras estrelas, que ajudou a quebrar – numa escala universal – os átomos de hidrogénio, que passaram de um estado neutro para ionizado (como existe atualmente). Esta quebra permitiu à luz viajar livremente pelos cosmos e marcou a transição fulcral entre o universo primitivo e o universo que conhecemos atualmente, preenchido por elementos químicos pesados.

"As estrelas e buracos negros nas galáxias primordiais, mais brilhantes, devem ter projetado para fora tanta luz ultravioleta, que rapidamente partiram os átomos de hidrogénio no universo circundante", explica o astrofísico português.

"As galáxias mais fracas parecem ter ficado escondidas [de observadores] por muito mais tempo. Mesmo quando eventualmente se tornaram visíveis, elas mostram evidências de abundância de material opaco ao seu redor", complementa.

Notícia sugerida por Elsa Martins

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close