i9magazine

EPRIS – Formar reclusas a distância

Versão para impressão

O projeto-piloto, desenvolvido pela unidade de investigação do Instituto Piaget (com apoio da Santa Casa do Porto e Direção-Geral de Reinserção Social), chegou ao seu fim em abril. Pelo caminho de dois anos, os módulos da formação online permitiram às reclusas aprender – ou melhorar – conhecimentos de Word, Excel, Power Point, a somar a uma vertente sobre empreendedorismo. Algo que pode parecer simples, à primeira vista, mas que se complica na vida atrás das grades. A começar, por exemplo, pelo uso de computadores portáteis e de internet, privilégio pouco comum na vida prisional. Eis o primeiro desafio: é possível pôr a funcionar, na prisão, um programa de aprendizagem a distância?

A direção do estabelecimento prisional de Santa Cruz do Bispo permitiu a exceção e, por isso, todas as formandas do projeto puderam utilizar computadores dentro da própria cela. Para contrariar as restrições no acesso à internet, uma operadora de comunicações disponibilizou uma solução feita à medida para este projeto: as reclusas apenas conseguem aceder, na biblioteca, à rede necessária para a componente de formação.

Passo a passo, entre formações a distância e a presença de formadores, o projeto avançou. Primeiro com a ambientação à plataforma, depois com a aprendizagem dos conteúdos. “Se algumas reclusas demonstraram, desde logo, competências no manuseamento dos equipamentos e na resposta aos desafios propostos, outras manifestaram receios e dificuldades técnicas que se dissiparam no módulo de ambientação”, recorda Angélica Monteiro, uma das coordenadoras do EPRIS.Captura de ecrã 2016-08-23, às 15.26.39

Para facilitar a aprendizagem, a formação foi adaptada ao perfil de cada uma das reclusas. Este foi, aliás, um dos principais fatores do êxito do projeto, considera a equipa do Piaget. Como reforça Rita Barros, corresponsável pela iniciativa, “o sucesso da formação, suportado em indicadores como o reconhecimento das reclusas dos potenciais benefícios do e-learning em termos pessoais e profissionais, parece estar associado ao facto de terem sido tidas em consideração as necessidades individuais e características pessoais destas reclusas”.

Terminado o projeto, arrumam-se os computadores e fecha-se o portão da cadeia? Se depender da equipa de investigadoras do Piaget, isso não acontecerá. Angélica Monteiro e Rita Barros consideram que o EPRIS resultou num “aumento da capacidade de aprender” das reclusas. Por isso, há que disseminar a formação em e-learning e a própria metodologia usada no projeto – tanto dentro da prisão de Santa Cruz do Bispo, como noutros estabelecimentos prisionais. Tudo para dar a estas mulheres, longe da liberdade, ferramentas para um futuro melhor.

// www.ipiaget.org

O conteúdo EPRIS – Formar reclusas a distância aparece primeiro em i9 magazine.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close