Ambiente

Enzima portuguesa pode proteger abelhas e colmeias

Uma equipa de investigadores portugueses desenvolveu uma enzima capaz de destruir uma das mais graves doenças bacterianas que afetam as abelhas não só em Portugal como em toda a Europa e na América Latina
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores portugueses do Centro de Engenharia Biológica (CEB) da Universidade do Minho desenvolveu uma enzima capaz de destruir uma das mais graves doenças bacterianas que afetam as abelhas não só em Portugal como em toda a Europa e na América Latina. A inovação nacional tem potencial para proteger as colmeias e evitar a morte precoce das colónias destes insetos.
 
Em comunicado enviado ao Boas Notícias, o CEB explica que esta enzima consegue combater a bactéria responsável pela Loque Americana (AFB, na sigla em inglês), doença bacteriana que começa por afetar as abelhas jovens – as larvas -, espalhando-se, rapidamente, por toda a colónia e que, se não for tratada, pode levar à morte de toda a população da colmeia num curto espaço de tempo.
 
A enzima foi desenvolvida no âmbito de uma investigação feita pelo centro português com o objetivo de conceber “uma estratégia terapêutica para utilização em apicultura que constitua uma alternativa à adminitração de antibióticos nas abelhas”.
 
O trabalho surgiu em consequência da necessidade de respeitar a atual restrição à presença de resíduos de antibióticos no mel imposta pela legislação da União Europeia, que acarreta “uma dificuldade acrescida no combate terapêutico à AFB”, obrigando a uma busca “urgente” por métodos antimicrobianos alternativos.
 
De acordo com informações avançadas pelo CEB, a enzima deverá ser administrada oralmente às abelhas adultas para que estas a possam fornecer, posteriormente, às mais jovens, e/ou por pulverização direta às larvas que se encontram nos favos.
 
“Com isto, pretende-se que, quando a bactéria em causa emergir dos esporos que a protegem no intestino das larvas, a enzima que anteriormente foi ingerida impeça a sua proliferação e consequente morte larvar”, explica Ana Oliveira, cientista do CEB envolvida nesta investigação.
 
Os investigadores já confirmaram, entretanto, que a enzima desenvolvida consegue destruir a bactéria responsável pela Loque Americana nas concentrações que ocorrem no campo quando a doença se verifica e que o composto não é tóxico para as larvas. 

O próximo passo será a realização de ensaios 'in vivo' em larvas de abelha criadas em laboratório e, posteriormente, em colmeias infetadas de forma natural.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close