Ciência

Energia gerada a partir da fotossíntese

Cientistas da Universidade de Stanford (EUA) deram mais passo - pequeno, mas importante - em direção à produção de energia limpa: a partir da captura de electrões carregados de energia, situados no interior de células de algas em proce
Versão para impressão
Cientistas da Universidade de Stanford (EUA) deram mais passo – pequeno, mas importante – no desenvolvimento de um novo método limpo de produção energética: a partir da captura de electrões carregados de energia, situados no interior de células de algas em processo de fotossíntese, a equipa de investigadores conseguiu estabelecer uma mini-corrente elétrica, sem libertarem carbono e sem recorrerem a biocombustíveis.

A fotossíntese é o processo químico através do qual as plantas garantem a sua sobrevivência, absorvendo a luz solar e transformando o dióxido de carbono (CO2), a água e os sais minerais retirados do solo em compostos orgânicos e oxigénio gasoso (O2). Este processo permite também a produção de nutrientes e açúcares que alimentam a própria planta.

O método é promissor e, havendo a possibilidade de gerar grandes quantidades de energia desta forma, poderia tornar-se bastante mais eficiente que a utilização de biocombustíveis, que apenas armazenam três e seis por cento da energia solar. No entanto, há um longo caminho a percorrer até lá.

Em primeiro lugar, a intensidade energética gerada a partir de cada célula é muito baixa -a utilização de um trilião de células a fotossintetizar durante uma hora apenas produziria uma quantidade de energia equivalente à de uma pilha AA. Além disso, a eficiência do processo agora desenvolvido corresponde a apenas 20 por cento, também devido ao facto da curta longevidade das células (que morrem ao fim de uma hora) e a partir das quais é gerada a energia.

WonHyoung Ryu, o autor principal do estudo revelado na publicação Nano Letters, refere que “este é potencialmente uma das fontes mais limpas para a produção de energia”, citado no portal Gizmag. Contudo, reconhece também que a questão da rentabilidade pode ser um grande obstáculo ao desenvolvimeno do método.

[notícia sugerida pela utilizadora Mónica Ribeiro]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close