Sociedade

Emprego: Ainda há setores à procura de trabalhadores

NULL
Versão para impressão
Apesar da conjetura económica, ainda há setores do mercado à procura de trabalhadores, avança a agência Lusa. A conclusão é de um estudo realizado pela Page Personnel, consultora do grupo Michael Page Portugal.

“Numa conjuntura económica de contenção e incerteza, Portugal ainda regista níveis de empregabilidade fortes em algumas áreas de atividade e setores que continuam a recrutar e que têm bastante saída profissional”, anuncia a investigação.

Retalho, grande consumo, eletrónica de consumo e seguros são os setores mais dinâmicos. Já técnicos financeiros para seguros, comerciais, técnicos-comerciais e gerentes de loja são as atividades com mais saída profissional.

“Apesar de Portugal ter vindo a registar níveis de desemprego crescentes no último ano, o mercado laboral português apresenta algumas tendências de empregabilidade que contrariam a situação financeira adversa que se tem vindo a sentir um pouco por todo o mundo”, diz o estudo.

A empresa quis ainda debruçar-se sobre quais os cursos com maior saída profissional, verificando que “existem cada vez mais pessoas com formação superior a ingressar em setores como o retalho”, que, atualmente, é uma das áreas que mais recruta.

A justificação apresentada para a elevada empregabilidade dos setores enunciados é que estes “continuam a reforçar as suas estruturas com técnicos de suporte ao negócio e estruturas comerciais segmentadas por canal, o que faz com que estas áreas apresentem altos níveis de recrutamento e de emprego”.

No caso específico do retalho, há também alguma rotatividade em funções, por exemplo, de loja, “o que promove, em grande parte, novos recrutamentos e abertura de novas oportunidades de emprego”.

Para além de setores de elevada empregabilidade, estes também registaram uma maior progressão na carreira dos seus profissionais que, em média, demoram 3 anos a subir para um cargo mais elevado dentro da empresa.

Em termos gerais, a consultora concluiu ainda que “o negócio das empresas está cada vez mais orientado para resultados a curto e médio prazo” e que “entre formações, técnicas, especializações, mestrados e MBA, candidatos e empresas têm vindo a apostar cada vez mais nas competências e no talento profissional.”

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close