Mundo

Eleitas muçulmanas mais influentes da Europa

Ao abrigo de uma iniciativa da CEDAR (Connecting European Dynamic Achievers of Role Models), rede pan-europeia de profissionais muçulmanos, foram distinguidas as dez mulheres muçulmanas que mais se destacaram na Europa em áreas tão diversas como a co
Versão para impressão
Ao abrigo de uma iniciativa da CEDAR (Connecting European Dynamic Achievers of Role Models), rede pan-europeia de profissionais muçulmanos, foram distinguidas as dez mulheres muçulmanas que mais se destacaram na Europa em áreas tão diversas como a comunicação social, a política, o Direito ou a arquitetura.

Uma das premiadas é Shaheeda Fatima, destacada advogada do Reino Unido que está a preparar-se em Harvard para ser a primeira juíza muçulmana da Gra-Bretanha. Igual prestígio foi alcançado por Ndeye Andújar, diretora do site Webislam.com, com mais de 12 milhões de visitantes por mês e Zaha Hadid, a primeira arquiteta a ganhar o Pritzker. 

Mas as histórias de sucesso não se ficam por aqui: Sabina Iqbal, outra das galardoadas no evento realizado em Madrid, fundou a Deaf Parenting of UK, a primeira associação mundial dirigida por pais surdos para ajudar pais surdos (como ela); Lamya Kadoor lidera a União Liberal-Islâmica, que dá voz aos muçulmanos alemães que “interpretam o islão de uma forma contemporânea”; Sineb El Masrar dirige a revista “Gazelle”, a primeira publicação multicultural dedicada a mulheres com raízes imigrantes.

Foram ainda distinguidas Bani Noo, jovem enfermeira de origem somali e presidente da Associação das Mulheres Muçulmanas da Suécia; Nabila Ramdani, jornalista e académica francesa de ascendência argelina, Hilal Sezgin, comentadora política e autora de vários livros sobre islão e islamofobia, multiculturalismo e feminismo islâmico na sua Alemanha natal e Anna Stamou, uma convertida ao islão que tenta oferecer a primeira mesquita e o primeiro cemitério à sua comunidade na Grécia.

A organização dos prémios European Muslim Women of Influence pretendem, assim, “gerar uma cultura de sucesso e de liderança entre as diversas comunidades muçulmanas da Europa”, o que corresponde a cerca de 23 milhões de pessoas, adianta o jornal Público.

A escolha das dez mulheres muçulmanas mais influentes da Europa foi o culminar de um processo iniciado no ano passado com uma campanha publicitária para o público fazer uma primeira selecção.

Desta fase inicial formou-se um grupo de 65 mulheres, provenientes de 11 países europeus. Depois, a rede CEDAR elaborou uma “short list” de 26. No passado sábado à tarde, numa reunião à porta fechada na Casa Árabe, em Madrid, um painel de seis juízes – dois do Reino Unido, dois de Espanha, um da Áustria e um da França – escolheu as dez vencedoras.

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close