Sociedade

Educação: Menos “chumbos” e melhores resultados

Há cada vez mais alunos a frequentar o ano adequado à sua idade e as notas obtidas pelos estudantes portugueses nas avaliações internacionais colocam-nos já à frente de vários países estrangeiros, concluiu um relatório divulgado esta quarta-feira.
Versão para impressão
Há cada vez mais alunos a frequentar o ano adequado à sua idade e as notas obtidas pelos estudantes portugueses nas avaliações internacionais colocam-nos já à frente de vários países estrangeiros. A conclusão é do relatório “Estado da Educação de 2012”, que revelou também que diminuiu o número de “chumbos” no percurso escolar dos jovens nacionais.
 
De acordo com o relatório “Estado da Educação 2012 – Autonomia e Descentralização” realizado pelo Conselho Nacional de Educação (CNE) e divulgado esta quarta-feira, houve “progressos assinaláveis na prevenção do abandono escolar”, tendo aumentado o número de alunos nas salas e melhorado o desempenho escolar.
 
Na década decorrida entre entre os anos letivos de 2000/2001 e 2010/2011, revela o documento a que a Lusa teve acesso, o ensino pré-escolar passou a receber mais crianças e o 1º ciclo registou também um aumento de frequências.
 
No ano letivo de 2010/2011 quase 100% das crianças e jovens portugueses entre os 6 e os 16 anos frequentavam a escola, registando-se, em apenas 10 anos, um aumento de 12 pontos percentuais no número de alunos com 16 anos ainda a estudar.
 
Além disso, as escolas passaram também a ter muito mais adolescentes com 17 anos nas salas de aula: em 2001, um em cada quatro tinha desistido de estudar, ao passo que, em 2011, apenas 8,8% dos jovens desta idade não frequentavam a escola. 
 
Segundo o relatório, a esta diminuição do abandono escolar vem juntar-se uma melhoria do desempenho dos alunos, que contribuiu também para o aumento, nesse período, do sucesso escolar.

Melhores resultados que os alunos estrangeiros
 

Para Ana Maria Bettencourt, presidente do CNE, é ainda de sublinhar a melhoria dos resultados alcançados pelos alunos portugueses nas avaliações internacionais de leitura, matemática e ciêcias.
 
Nos exames realizados aos alunos do 4º ano de escolaridade, os portugueses ficaram em 13º lugar num total de 50 países, somando a mesma pontuação que os estudantes da Alemanha, Holanda ou Suécia e à frente de países como França, Áustria ou Noruega.
 
Na prova específica de matemática, os alunos portugueses do 4º ano ficaram em 14º lugar, surgindo antes de Alemanha, Suécia e Noruega, fez questão de sublinhar a dirigente. 
 
No entanto, o relatório alerta que há ainda muitos estudantes que não frequentam o ano escolar que deveriam – por exemplo, no ano letivo de 2010/2011, um em cada quatro alunos de 12 anos ainda não tinham chegado ao 3º ciclo.
 
Além disso, o CNE chama a atenção para o risco de um “considerável número de jovens” chegar aos 18 anos e abandonar a escola sem ter terminado o ensino secundário, um problema que é preciso ter em conta. 
 
Uma tabela apresentada no documento mostra que os rapazes são os que apresentam maiores dificuldades na frequência do ano correspondente à idade: no 12º ano há 55% de mulheres com a idade adequada, ao passo que os homens são apenas 45%.
 
O relatório “Estado da Educação” informa ainda que as zonas do país onde as retenções são mais reduzidas são, entre outras, Braga, Viana do Castelo e Aveiro, ao passo que Lisboa, Setúbal, Évora, Portalegre, Beja e Faro estão sempre acima da média nacional de “chumbos”. 

Notícia sugerida por Elsa Martins e Vítor Fernandes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close