Em Destaque Saúde

“É preciso acabar com o estigma da obesidade e promover o acesso aos tratamentos desta doença”

Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO)
Versão para impressão

A obesidade é um dos mais sérios desafios da Saúde Pública do século XXI, tendo já atingido proporções epidémicas. O excesso de peso e a obesidade estão associadas à morte de pelo menos 2,8 milhões de pessoas todos os anos. Em Portugal, estima-se que mais de metade da população tenha obesidade ou pré-obesidade. No Dia Mundial da Obesidade, que se assinala a 11 de outubro, a Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO) alerta para a necessidade de acabar com o estigma da obesidade e para a urgência de tratar a obesidade nas primeiras fases da doença, possibilitando-se acesso à terapêutica farmacológica, que até hoje não é comparticipada em Portugal.

“A obesidade é uma doença crónica, complexa e multifatorial que ultrapassa as escolhas individuais. A ideia estigmatizante de que a pessoa com obesidade é responsável pela sua condição, por ser “preguiçosa” ou não ter autocontrolo, retira o profissional de saúde da equação da eficácia do tratamento, responsabilizando unicamente a pessoa pelo sucesso do mesmo. Isto só contribui para o aumento dos níveis de obesidade e para o atraso e insucesso do tratamento. Devemos lutar para que todos os profissionais de saúde tenham acesso a formação especializada em tratamentos eficazes, para que adotem um discurso não estigmatizante e para que todos os indivíduos com sobrepeso tenham acessibilidade plena ao tratamento integral da obesidade. Já se tem feito bastante para melhorar o acesso às cirurgias bariátricas, indicadas na obesidade mórbida, mas é preciso tratar a obesidade desde a fase inicial. Para que isto aconteça, é urgente que terapêutica farmacológica seja comparticipada e, assim, acessível a todos. É preciso acabar com o estigma da obesidade e promover o acesso ao todos os tratamentos desta doença”, destaca Paula Freitas, presidente da Sociedade Portuguesa para o Estudo da Obesidade (SPEO).

A obesidade está associada a um decréscimo da esperança média de vida e da qualidade da mesma, estando associada a problemas de saúde como diabetes mellitus tipo 2, hipertensão arterial, dislipidemia, outras doenças metabólicas, respiratórias, cardiovasculares, ósseas e vários tipos de cancros.

“A responsabilidade da obesidade deve ser partilhada pela sociedade e é necessário um apoio positivo e uma narrativa de responsabilidade de todos os profissionais de saúde e da sociedade em geral de modo a aumentar a eficácia dos cuidados de saúde das pessoas com excesso de peso e obesidade. Prevenir e tratar a obesidade significa ter uma sociedade mais saudável e com uma vida mais longa. Significa ainda menos custos para os sistemas de saúde – estima-se que os custos direta e indiretamente associados à obesidade estão na ordem dos 300 mil euros por ano em Portugal, sendo que a nível europeu, o peso da obesidade pode ultrapassar 10 mil milhões de euros em custos de saúde. É preciso mostrar às entidades de saúde competentes e aos políticos o impacto económico da obesidade, quer os custos diretos quer indiretos, que a curto e a longo prazo são maiores do que disponibilizar tratamentos adequados mais precocemente e antes que as múltiplas complicações associadas à obesidade se instalem.” acrescenta a representante da SPEO.

O aumento global da prevalência da obesidade é um problema de saúde pública com grandes custos para os sistemas de saúde. Estima-se que mais de 20% da população mundial será obesa em 2025 se não forem adotadas medidas que travem esta evolução.

Segundo o último estudo português, do Instituto de Saúde Pública da Universidade do Porto (ISPUP), estima-se que, em Portugal, mais de metade da população – mais de 6 milhões de pessoas – tenha obesidade ou pré-obesidade.

“Uma vez que está comprovado, por vários estudos de relevo, a perda de peso, mesmo que na ordem dos 5% a 10%, pode trazer benefícios para a saúde, reduzindo o risco de diabetes tipo 2 e de doenças cardiovasculares, melhorando a pressão arterial e reduzindo a gravidade de apneia do sono, tratar farmacologicamente, através de inibidores de apetite, a obesidade desde as fases iniciais, é promover a curto e longo prazo a saúde geral dos individuais”, conclui Paula Freitas.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close