Em Destaque Negócios e Empreendorismo

Drones Portugueses ganham concurso

Pela primeira vez, aviões não tripulados vão sobrevoar as rotas migratórias no mediterrâneo.
Versão para impressão
por redação

O financiamento de 66 milhões de euros é repartido por dois concursos públicos abertos pela Agência Europeia de Segurança Marítima (EMSA), em 2016. Os equipamentos irão ser usados sempre que os Estados-membros necessitem do desempenho dos mesmos em funções de controlo e vigilância marítima.

A quantia exibe um acréscimo significativo ao orçamento da EMSA, que fica em Lisboa, e presta serviços à Frontex (Agência Europeia da Guarda de Fronteiras e Costeira). Isto representa o sinal mais visível da nova politica assumida pela Comissão Europeia como reação à tensão migratória que se tem vindo a verificar nos últimos anos na fronteira do sul da União Europeia (UE), principalmente na Itália e na Grécia.

O maior concurso realizado pelas autoridades europeias (66 milhões de euros) foi o último concurso aberto pela EMSA. Alguns gigantes do setor, como a Airbus, Saphran entre outros, ficaram interessados.

Na semana passada os contratos foram assinados. A vencedora foi a empresa Tekever, que se centra no desenvolvimento da tecnologia, produtos, e serviços nas áreas das Tecnologias de Informação e Comunicação e que se localiza no Parque das Nações. A empresa ficou em primeiro lugar no lote 2, que se designa a aviões não tripulados com 150kg e 10 horas de autonomia de voo. E no lote 1, para aviões ainda com dimensões maiores acabou por não ser concebido.

Na mesma categoria, o consórcio liderado pela Força Aérea Portuguesa conquistou o segundo lugar. Quando as missões da Tekever estiverem esgotadas esta será chamada a responder às suas solicitações.

Os resultados deste ano são muito semelhantes aos do concurso anterior que também contratou os serviços da Forca Área e da Tekever.

O holandês Leendert Bal, diretor de operações da agência europeia explicou ao PÚBLICO o porquê de a EMSA não comprar drones, mas sim alugar, “esta é uma tecnologia em constante evolução, que rapidamente de torna obsoleta, pelo que não faz sentido comprar o equipamento”.

Vão ser fabricados em Portugal todos os aviões não tripulados envolvidos nestas operações europeias de patrulhamento de fronteiras. Os da Tekever serão feitos em Ponte de Sor e os drones da Força Aérea são da empresa portuguesa UA Vision, de Torres Vedras.

A Frontex pode requerer uma frota de drones para desempenhar funções de vigilância costeira. Um Estado-membro da UE só tem que emitir o pedido, depois é realizado o contacto com a EMSA e esta aciona os serviços da Tekever ou da Força Aérea. Posteriormente, equipas vão para o terreno e podem permanecer até dois meses em operação.

Os aviões da empresa tecnológica estão equipados com vários dispositivos que conseguem detetar os mais insignificantes movimentos no mar, seja qual for a visibilidade (camara gimbal, satcom, radar).Todas as informações são transmitidas para o centro de comando da Agência Europeia da Segurança Marítima no Cais do Sodré que depois as disponibiliza em tempo real à Frontex, na Polónia.

 

*notícia sugerida por Patrícia Caixeirinho

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close