Saúde

Dispositivo português vai detetar presença de cancros

Uma investigadora portuguesa, Goreti Sales, vai apresentar esta quarta-feira o laboratório e a equipa com quem vai desenvolver o 3P's, um biossensor portátil capaz de detetar certos tipos de cancro de forma "barata, indolor e rápida", poupando custos
Versão para impressão
Uma investigadora portuguesa, Goreti Sales, vai apresentar esta quarta-feira o laboratório e a equipa com quem vai desenvolver o 3P's, um biossensor portátil capaz de detetar certos tipos de cancro de forma “barata, indolor e rápida”, poupando custos sociais e económicos.
 
Segundo a especialista do Instituto Superior de Engenharia do Porto, o aparelho consiste num “novo conceito de diagnóstico” e irá permitir detetar, de forma “bastante precoce”, a presença de cancro rectal, do útero e do cólon numa fase inicial.
 
O projeto foi criado na Unidade de Investigação BioMark – Sensor Reseach do Instituto Superior de Engenharia do Porto, tendo recebido, em 2012, um milhão de euros de financiamento do European Research Council. 
 
Em declarações à agência Lusa, Goreti Sales explicou que, com esse apoio, foi possível “montar” uma estrutura física e captar os recursos humanos necessários para o desenvolvimento do dispositivo. 

Análise poderá ser feita em qualquer consultório
 

“O 3'Ps vai permitir a um médico, em qualquer consultório, fazer uma análise rápida, indolor e barata que deteta os marcadores de certos tipos de cancros”, explicou a cientista.
 
O equipamento “será uma espécie de caixinha em plástico ou vidro, relativamente pequena, e custará entre 6 a 10 euros”. De acordo com a portuguesa, a investigação e, agora, concretização do 3P's não foram motivadas por “razões económicas ou comerciais”.
 
“Tem que ser um dispositivo barato mas para poder ser utilizado em grande escala e não apenas em hospitais ou laboratórios de análises específicos. Esperamos que alguém se venha a interessar pela produção do 3P's mas com esse objetivo”, esclareceu.
 
A equipa de desenvolvimento será formada por duas alunas de pós-doutoramento vindas da Índia e vai ser apresentada esta quarta-feira, pelas 14h30, no Instituto Superior de Engenharia do Porto.
 
“Não foi um caminho fácil. Em Portugal estamos condicionados a muita burocracia. Mas agora estamos no caminho certo e estou convencida que vai daqui a quatro anos e meio vamos ter o 3P's pronto a funcionar”, declarou a cientista.

Notícia sugerida por Maria Pandina, Maria da Luz, Elsa Fonseca, David Ferreira e Elsa Martins

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close