Saúde

Dieta saudável na meia-idade pode prevenir demência

Seguir uma dieta saudável na meia-idade pode prevenir o desenvolvimento de demências. A conclusão é de uma investigação desenvolvida numa universidade finlandesa.
Versão para impressão
Seguir uma dieta saudável na meia-idade pode prevenir o desenvolvimento de demências. A conclusão é de uma investigação conduzida por uma universidade finlandesa e que é a primeira a nível mundial a analisar a relação entre uma boa alimentação a partir dos 50 anos e o risco de vir a sofrer de doenças neurodegenerativas numa fase mais avançada da vida.
 
O estudo, realizado na Universidade da Finlândia Oriental, avaliou a associação entre a dieta e a demência com recurso a um 'índice' de alimentação saudável baseado na ingestão de determinados tipos de alimentos em 2.000 pessoas que tinham, no início da investigação, idades entre os 39 e os 64 anos.
 
Os vegetais, as bagas, as frutas, o peixe e as gorduras insaturadas foram consideradas as melhores opções para a saúde, ao passo que salsichas, ovos, doces, bebidas açúcaradas e gorduras saturadas foram incluídos no grupo das escolhas alimentares mais prejudiciais, revela um comunicado daquela instituição universitária.
 
A equipa constatou que que aqueles que, aos 50, seguiam uma alimentação mais saudável tinham um risco 90% inferior ao dos que faziam uma má alimentação de desenvolver demência nos 14 anos seguintes e concluiu, também, que o elevado consumo de gorduras saturadas aparecia associado a uma capacidade cognitiva mais reduzida e a um maior risco de sofrer de doenças neurodegenerativas. 
 
“Visto que ninguém come apenas um alimento e que há interações entre nutrientes, faz sentido olhar para a dieta como um todo”, afirma Marjo Eskelinen, coordenadora do estudo, que foi desenvolvido no âmbito da sua tese de doutoramento em neurologia e que provou, também, que o consumo de três a cinco chávenas de café por dia contribui, igualmente, para reduzir o risco de demência. 
 
De acordo com a cientista, cuja investigação foi publicada na revista científica Dementia and Geriatric Cognitive Disorders, “mesmo aqueles que têm maior suscetibilidade [de desenvolver demências] por questões genéticas podem, pelo menos, atrasar o aparecimento da doença ao consumir mais peixes gordos e ao escolher óleos vegetais para cozinhar”. 

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês). 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close