Saúde

Dieta rica em Vitamina A reforça imunidade dos filhos

As mulheres grávidas que optarem por dietas ricas em vitamina A vão permitir que os filhos tenham um sistema imunitário mais forte e capaz de combater as infeções. Quem o diz é um estudo levado a cabo por uma equipa de investigadores portugueses, seg
Versão para impressão
As mulheres grávidas que optarem por dietas ricas em vitamina A vão permitir que os filhos tenham um sistema imunitário mais forte e capaz de combater as infeções. Quem o diz é um estudo levado a cabo por uma equipa de investigadores portugueses, segundo o qual a alimentação de uma mãe, durante a gravidez, está diretamente relacionada com a imunidade do filho.
 
A descoberta foi publicada esta quinta-feira na revista científica 'Nature', e aponta para um efeito direto da alimentação adotada pela mãe, na gravidez, no organismo do filho e na sua capacidade para se defender de infeções. 
 
“Ao contrário do que se pensava, o que nós viemos demonstrar é que esse período de formação do sistema imunitário está absolutamente dependente dos fatores ambientais, sendo a dieta um dos mais importantes”, refere Henrique Veiga Fernandes, coordenador da equipa do Instituto de Medicina Molecular.
 
De acordo com o estudo, quando as mães são sujeitas a uma dieta rica em vitamina A, os órgãos linfoides (do sistema imunitário) dos seus descendentes tendem a ser maiores e bem mais fortalecidos, algo que é determinante no combate às infeções a que são sujeitos. 
 
“A qualidade da dieta é muito importante, em particular para um micronutriente (vitamina A) que descobrimos ser essencial para a formação das células responsáveis pela formação do sistema imunitário, enquanto estamos no ventre da mãe”, adianta o especialista.
 
O imunologista adverte: “Se há uma alteração no período intrauterino, essa alteração nunca vai ser recuperada, com consequências muito importantes na vida adulta”.
 
Os investigadores concluíram que “os efeitos a longo prazo da malnutrição materna não podem ser menosprezados”, com a falta de vitamina A a estar na origem de “defeciências físicas e a comprometer a eficácia das vacinas infantis nas regiões mais pobres”.
 
Além disso, as “mulheres grávidas com comportamentos de risco tendem a apresentar mais vulnerabilidade, já que tanto o tabaco como o álcool estão associados à deficiência em vitamina A”. 
 
Com tudo isto, Henrique Veiga Fernandes defende uma dieta de “bom senso”, rica em vegetais e fruta: couves, cenouras, bróculos, alfaces, alperces, abóboras.

Notícia sugerida por Maria Pandina e Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close