Ciência

Diabetes: U. Coimbra testa novo tratamento

Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) desenvolveram um novo método para melhorar a cicatrização de feridas crónicas em diabéticos, combinando células estaminais do sangue do cordão umbilical e células dos vasos sanguíneos.
Versão para impressão
Investigadores da Universidade de Coimbra (UC) desenvolveram um novo método para melhorar a cicatrização de feridas crónicas em diabéticos, combinando células estaminais do sangue do cordão umbilical e células dos vasos sanguíneos.

De acordo com o estudo publicado esta semana na revista científica internacional PLoS ONE, nas experiências laboratoriais foram utilizados seis ratinhos, cada um com duas pequenas feridas de seis milímetros de diâmetro.

O tratamento – a aplicação de um gel com células estaminais e com outras existentes nos vasos sanguíneos (endoteliais) -, decorreu ao longo de dez dias.

“Não chegou a haver cicatrização completa. Mas houve diminuição da [extensão] das feridas ao longo do tempo”, revelou à agência Lusa Lino Ferreira, coordenador da equipa do Centro de Neurociências e Biologia Celular da Universidade de Coimbra (CNC/Biocant).

Ainda assim, o investigador sublinha que a metodologia “potenciou o efeito terapêutico”, adiantando que a combinação dos dois tipos de células “melhorou a cicatrização das feridas”, em comparação com feridas tratadas com gel contendo apenas células estaminais.

A equipa coordenada por Lino Ferreira integra ainda Dora Pedroso, Ana Tellechea, Liane Moura e Eugénia Carvalho, investigadoras do CNCBiocant, Isabel Fidaldo Carvalho, do Instituto de Biologia Molecular e Celular da Universidade do Porto, e João Duarte, da empresa Crioestaminal.

Segundo um documento anexo à investigação, que cita dados do Ministério da Saúde, nos seres humanos, o pé diabético “é um dos exemplos mais significativos de ferida diabética”, sendo responsável “por cerca de 70% de todas as amputações efetuadas por causas não traumáticas”.

“Estima-se que cerca de 25% de todas as pessoas com diabetes tenha condições favoráveis ao aparecimento de lesões nos pés”, adianta o texto, citado pela Lusa.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close