Saúde

Desvendada a causa da resistência à quimioterapia

Um novo estudo revelou que a resistência à quimioterapia resulta da ação do próprio tratamento anticancerígeno. De acordo com os investigadores, o próximo passo será descobrir qual a forma de bloquear este efeito.
Versão para impressão
Um novo estudo revelou que a resistência à quimioterapia resulta da ação do próprio tratamento anticancerígeno, uma vez que o processo faz com que as células cicatrizantes que rodeiam o tumor produzam uma proteína que acaba por ajudar o cancro a resistir à terapia. De acordo com os investigadores, o próximo passo será descobrir qual a forma de bloquear este efeito.
 
A descoberta, publicada esta segunda-feira na revista científica Nature Medicine, foi feita por um grupo de cientistas do centro de investigação oncológica Fred Hutchingson em Seattle, nos EUA.
 
Segundo o trabalho da equipa, cerca de 90% dos doentes com cancros sólidos, como o da mama, o da próstata, o do pulmão ou o do cólon, que se espalharam pelo corpo, ou seja, que se encontram metastizados, desenvolvem resistências à quimioterapia.
 
Os especialistas norte-americanos explicam que esta resistência está relacionada com o facto de o tratamento ser dado de forma intervalada, para que o corpo do doente não seja prejudicado em excesso pela sua toxicidade. Os intervalos de tempo permitem às células tumorais recuperem e desenvolvam “armas” contra a terapia. 
 
Para chegar a esta conclusão, refere a BBC, os investigadores, que estudaram em particular o cancro da próstata, centraram-se na reação que a quimioterapia provoca nos fibroblastos, células que desempenham um papel importante na cicatrização e na produção de colagénio.
 
A quimioterapia danifica o ADN e leva os fibroblastos a produzirem, numa quantidade 30 vezes superior ao suposto, uma proteína denominada WNT16B. Esta proteína estimula o crescimento das células tumorais e ajuda-as a invadir os tecidos que as rodeiam e a resistir ao tratamento, constatou a equipa.
 
“Os tratamentos contra o cancro estão a tornar-se cada vez mais específicos, atacando mecanismos moleculares chave que 'guiam' o cancro mais do que as vulnerabilidades genéricas, como os danos causados no ADN”, esclareceu Peter Nelson, coordenador do estudo, em declarações à BBC.
 
“Os nossos resultados indicam que o microambiente que rodeia o tumor também tem influência no sucesso ou no fracasso destas terapias específicas”, acrescentou.
 
O estudo é particularmente importante porque, embora já se soubesse que esta proteína intervinha no desenvolvimento dos cancros, a sua produção excessiva ainda não tinha sido relacionada com a quimioterapia. Os especialistas esperam, agora, encontrar uma solução para travar o efeito da terapia sobre o ADN.

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado na Nature Medicine (em inglês). 

Comentários

comentários

Etiquetas

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close