Ciência

Descoberto o maior exoplaneta que orbita duas estrelas

Foi descoberto o maior exoplaneta em órbita de duas estrelas jamais observado. O Kepler-1647b, a uma distância de 3.700 anos-luz da Terra na constelação do Cisne, contém luas potencialmente habitáveis. A sua órbita é superior a três anos.
Versão para impressão
Foi descoberto o maior exoplaneta (planeta fora do sistema solar da Terra) em órbita de duas estrelas jamais observado. O Kepler-1647b, a uma distância de 3.700 anos-luz da Terra na constelação do Cisne, contém luas potencialmente habitáveis. A sua órbita é superior a três anos.

O anúncio foi feito na conferência da American Astronomical Society, que se realizou na semana passada em San Diego, na Califórnia. O exoplaneta circumbinário (que orbita em torno de duas estrelas) apresenta algumas semelhanças com Júpiter, sobretudo pelas dimensões próximas e por também se tratar de um planeta gasoso.

Por ser gasoso, o exoplaneta pouco provavelmente desenvolveu condições para alojar vida, mas os cientistas estão mais otimistas em relação às luas que orbitam Kepler-1647b, que poderão conter água em estado líquido.

A sua órbita também é a maior que já foi observada num exoplaneta circumbinário. Os investigadores afirmam que são necessários 1.107 dias (pouco mais de três anos terrestres) para o planeta completar uma órbita.

Ambas as estrelas em que orbita, a uma distância mais próxima do que é habitual em planetas circumbinários, são semelhantes ao Sol (uma é ligeiramente maior; outra é ligeiramente menor).

O Kepler-1647b foi o 11.º exoplaneta circumbinário a ser descoberto desde 2005. O planeta foi observado pela primeira vez em 2011 por Laurance Doyle, do SETI Institute e também um dos coautores do estudo, que será publicado no Astrophysical Journal.

Os investigadores estimam que o Kepler-1647b tenha 4,4 mil milhões de anos como a Terra e adiantam que fica a 3.700 anos-luz de distância (cada ano luz representa 9,4 biliões de quilómetros) do nosso planeta.

Cientistas previam encontrar esta população de exoplanetas

Os investigadores detetam exoplanetas quando estes passam à frente da sua estrela, o que provoca uma diminuição temporária da luminosidade. Esta técnica, conhecida por técnica do trânsito astronómico, permite aos investigadores deduzirem a massa do planeta, bem como a distância a que se encontra da sua estrela. 

Atualmente, há mais de 2 mil exoplanetas identificadas, "mas encontrar exoplanetas circumbinários é muito mais difícil", explica William Welsh, aastrónomo na Universidade Estadual de San Diego (SDSU) e um dos autores da descoberta. "A passagem do planeta à frente dos dois astros não é regularmente espaçada e pode também variar na duração".

Depois da suspeita de identificação de um planeta os astrónomos usam programas informáticos para perceber se se trata, ou não, de um planeta.  O processo é longo e árduo.

"Condições de habitabilidade à parte, o Kepler-1647b é importante porque representa a ponta do iceberg", continua Weish, "de uma população teoricamente prevista de grandes planetas circumbinários, [com órbitas] de longa duração".

Notícia sugerida por Elsa Martins

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close