Ambiente

Descoberto grande recife de coral a sul do Faial

Foi descoberto nos Açores um recife de coral com cerca de 1.000 metros quadrados por dois investigadores que navegavam a bordo de um submarino a sul da ilha do Faial.
Versão para impressão
Foi descoberto nos Açores um recife de coral com cerca de 1.000 metros quadrados por dois investigadores que navegavam a bordo de um submarino a sul da ilha do Faial.
 
Construído e explorado pela Fundação Rebikoff-Niggeler, o submarino “Lula 1000”  transportava consigo três tripulantes (dois investigadores da fundação, um deles o comandante do submarino, e a filha de 13 anos), que “foram surpreendidos com uma vasta extensão de corais amarelos no topo de uma colina submarina que estavam a explorar à saída do canal Faial-Pico”. 
 
O anúncio foi feito pela relações-públicas da fundação, Aurora Ribeiro, que, em declarações à agência Lusa, contou que, para além da beleza daqueles corais, os mesmos ocupavam uma “impressionante” e vasta área, que se estendia muito para lá da zona iluminada pelos holofotes do submarino.
 
O mergulho deu-se a 5 de Agosto, tendo sido “amplamente documentado” através de fotografia e vídeo de alta definição. Segundo Aurora Ribeiro, esta foi a primeira vez que foram encontrados recifes de coral a tão baixa profundidade no mar dos Açores.


 

A existência deste recife de coral, a tão curta distância do Faial, era completamente desconhecida. Um grupo de investigadores da Universidade dos Açores já teve acesso às imagens captadas e confirmou “tratar-se efetivamente” de um recife formado pelo coral Dendropfyllia, a uma profundidade entre os 280 e os 300 metros.
 
Para a relações-públicas da Rebikoff-Niggeler, a descoberta desta estrutura natural é uma evidência do “pouco que ainda se conhece” sobre o mar profundo que rodeia a ilha dos Açores e do “papel fundamente e pioneiro” que a Fundação Rebikoff-Niggeler desempenha para o aumento desse conhecimento.

Criada em 1994 em homenagem à vida e obra de Ada e Dimitri Rebikoff, pioneiros no desenvolvimento de tecnologia subaquática, a Fundação Rebikoff-Niggler visa a documentação do mar profundo da mesma.


Para isso construiu dois submarinos, sendo que o mais recente – o “Lula 1000” – constitui um dos dez únicos submersíveis científicos do mundo capazes de descer a uma profundidade de 1.000 metros. 
 
O “Lula 1000”, com 7,5 metros de comprimento e 2,65 de altura, está disponível para trabalhos de investigação e documentação desenvolvidos por instituições portuguesas e internacionais no mar dos Açores.

Notícia sugerida por Elsa Fonseca

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close