Ciência

Descoberto biomarcador que prevê evolução de melanomas

Dermatologistas do Hospital do Mar de Barcelona, em Espanha, identificaram um novo biomarcador dos melanomas malignos, prevendo a sua evolução e ajudando a definir um prognóstico para este tipo de cancro e novas formas de tratatamento.
Versão para impressão
Dermatologistas do Hospital do Mar de Barcelona, em Espanha, identificaram um novo biomarcador dos melanomas malignos, prevendo a sua evolução e ajudando a definir um prognóstico para este tipo de cancro e novas formas de tratatamento.

A equipa descobriu que uma proteína denominada 'NCoR', que regula o processo de transferência da informação do ADN, tem um papel importante na evolução dos melanomas.

O estudo, publicado na revista Oncotarget, mostra ainda que a distribuição da 'NCoR' dentro das células indica uma previsão da evolução do melanoma, mesmo quando analisado em fases iniciais, explica o comunicado da instituição.

De acordo com Fernando Gallardo, chefe de seção do serviço de Dermatologia do Hospital do Mar, até ao momento ainda não havia nenhum marcador de prognósticos a nível molecular que fosse indicativo da evolução do melanoma malígno.

Contudo, os especialistas indicaram que as diferenças no processo de transformação da informação genética em proteínas necessárias para o funcionamento e desenvolvimento das células neste tipo de cancro fazem com que o seu comportamento mude consoante os pacientes, mesmo estando na mesma fase da doença.

“É muito importante detetar o melanoma em fases iniciais para o poder tratar, mas também há que dispor de marcadores fiáveis que nos permitam prever a sua evolução”, explica Fernando, citado pelo mesmo comunicado.

O investigador acrescenta que a identificação da proteína como biomarcador “abre a porta para a existência de uma ferramenta que permita prever como evoluirá a doença em cada paciente, mas também identificar que pessoas podem beneficiar de futuras terapias baseadas no controlo desta proteína”.

Os melanomas são cancros na pele e todos os anos são a causa de mais de 20 mil mortes na Europa e 50 mil no resto do mundo.

Quando localizado apenas na pele, o índice de cura é elevado, ao contrário de quando se estende a gânglios ou metástases alargadas.

Notícia sugerida por Patrícia Guedes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close