Saúde

Descoberta poderá melhorar controlo da hipertensão

Investigadores japoneses anunciaram, esta semana, a descoberta de um novo mecanismo de regulação da tensão arterial. O avanço poderá ser decisivo para ajudar a tratar pacientes com hipertensão, um dos principais fatores de risco do AVC e da diabetes.
Versão para impressão
Investigadores japoneses anunciaram, esta semana, a descoberta de um novo mecanismo de regulação da tensão arterial. O avanço poderá ser decisivo para ajudar a tratar pacientes com hipertensão, doença que é um dos principais fatores de risco do AVC, da diabetes e de diversas patologias cardiovasculares.
 
Um estudo desenvolvido pela equipa do Riken Brain Science Institute, no Japão, associa ocorrências específicas ao nível celular com efeitos que afetam o organismo de forma sistémica, revelando, pela primeira vez, que a tensão arterial pode cair radicalmente se uma proteína – a ERAP1 – for libertada por um conjunto de células e entrar na corrente sanguínea.
 
A investigação, cujos resultados foram publicados recentemente na revista científica Molecular Cell, arrancou depois de os cientistas terem descoberto que os ratinhos que tinham no sangue falta de uma outra proteína, a ERp44, tinham uma tensão arterial inferior à dos restantes.
 
“Apercebemo-nos de que os modelos animais tinham “defeitos” semelhantes aos dos pacientes que têm falta de angiotensina II – a hormona que faz subir a tensão arterial”, explica, em comunicado, o principal autor do estudo, Chihiro Hisatsune. “Medimos a tensão arterial e ficámos surpreendidos ao constatar que era cerca de 20% inferior à dos ratos normais”, revela o cientista. 

Nova alternativa para potenciais terapêuticas
 

O grupo japonês conseguiu, entretanto, demonstrar que, nos ratinhos com falta da proteína ERp44 (uma proteína multifuncional localizada no retículo endoplasmático, local onde as proteínas são “moldadas” até à sua forma final antes de serem libertadas), a angiotensina II é removida do sangue com maior rapidez, o que explica a descida da tensão arterial.
 
Ao analisar as proteínas associadas à ERp44, os cientistas verificaram que a enzima ERAP1 se “conecta” a ela quando os níveis de oxigénio dentro do retículo endoplasmático são altos, sendo libertada para o sangue quando estes níveis baixam. 
 
Segundo a equipa, níveis de oxigénio flutuam de acordo com diversos fatores, entre eles o 'stress' celular. Quando este 'stress' causa uma redução nos níveis de oxigénio no retículo endoplasmático, a ERAP1 é libertada e a tensão arterial baixa automaticamente para manter o organismo equilibrado.
 
Porém, se a ERp44 não existir, a ERAP1 tem total liberdade para entrar na corrente sanguínea, onde “digere” a angiotensina II, diminuindo a tensão. Esta descoberta é, para os investigadores, de grande importância, já que a compreensão do modo como o nosso corpo regula, naturalmente, a pressão arterial é essencial para o desenvolvimento de novos medicamentos para a controlar de forma artificial.
 
“Com esta nova descoberta, sabemos mais sobre a maneira como a angiotensina II é removida do sangue com vista à redução da pressão arterial e temos uma nova alternativa para estudar potenciais terapêuticas”, salienta Katsuhiko Mikoshiba, outro dos investigadores envolvidos no estudo.
 
Segundo o especialista, “as atuais terapias para a hipertensão 'atacam' a enzima que produz a angiotensina II”. Estes resultados, porém, “abrem a porta a abordagens alternativas que sejam direcionadas para a atividade de proteínas como a ERAP1 e a ERp44”. 
 
“Esperamos que os nossos resultados possam conduzir ao desenvolvimento de novas estratégias para tratar pacientes com distúrbios da tensão arterial”, finaliza o investigador.

Estilo de vida saudável pode prevenir hipertensão
 

Em Portugal, a taxa de prevalência da hipertensão arterial situa-se nos 26,9%, sendo mais elevada no sexo feminino (29,5%) do que no masculino (23,9%), adiantam com dados publicados há dois anos no âmbito do estudo “A Hipertensão em Portugal 2013”, desenvolvido pelo Programa Nacional para as Doenças Cérebro-Cardiovasculares da Direção-Geral da Saúde.
 
Os doentes com esta patologia têm um maior risco de vir a sofrer de determinadas doenças como a insuficiência cardíaca, acidentes vasculares cerebrais (AVC), enfarte do miocárdio, insuficiência renal, perda gradual da visão, esclerose das artérias, entre outras.
 
De acordo com a a Sociedade Portuguesa de Hipertensão (SPH), a adoção de um estilo de vida saudável pode prevenir o aparecimento da doença e a sua deteção e acompanhamento precoces podem reduzir a probabilidade de vir a desenvolver estas patologias.

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado na Molecular Cell (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close