Saúde

Descoberta pode trazer vacina contra vírus da SIDA

Cientistas norte-americanos anunciaram, esta semana, a criação de um novo fármaco potente e universalmente eficaz que poderá permitir o desenvolvimento de uma vacina inédita contra o vírus da SIDA.
Versão para impressão
Cientistas norte-americanos anunciaram, esta semana, a criação de um novo composto potente e universalmente eficaz que poderá permitir o desenvolvimento de uma vacina inédita contra o vírus da imunodeficiência humana (VIH, na sigla em português), causador da SIDA.
 
Um estudo publicado na quarta-feira na revista científica Nature pela equipa responsável pela investigação, coordenada pelo The Scripps Research Institute (TSRI), nos EUA, revela que a nova substância é capaz de bloquear todas as estirpes de VIH-1, VIH-2 e SIV (vírus da imunodeficiência símia) isoladas em humanos ou macacos de rhesus, incluindo as variantes mais difíceis de travar.
 
Além disso, de acordo com os resultados da investigação, este fármaco consegue, também, proteger contra doses do vírus muito superiores às que se registam no organismo depois da transmissão do VIH em humanos, sendo que o efeito protetor se mantém por um período de até oito meses após a administração do composto. 
 
O VIH é um vírus coberto de “espetos”, que se acoplam a dois recetores no corpo das células para as transformar em “fábricas” através das quais se multiplica de forma a propagar-se pelo organismo. Embora os anticorpos, tradicionalmente utilizados para controlar a doença, consigam bloquear um destes tipos de “espetos”, são incapazes de desativar a ação do outro.
 
O novo composto desenvolvido pelos investigadores do TSRI, e denominado eCD4-IG, tem a capacidade de bloquear ambos os tipos de “espetos”, impedindo que o vírus se agarre às células. 
 
Em experiências realizadas com macacos, o fármaco mostrou ser muito eficaz, mesmo contra as estirpes mais poderosas do VIH. Os quatro animais que receberam o composto mantiveram-se livres do vírus na sequência de diversas tentativas de os infetar, o que indica que o composto poderá originar uma vacina válida.
 
“O nosso fármaco é o mais amplo e mais potente inibidor de entrada [do vírus no organismo] descrito até ao momento”, afirma, em comunicado, Michael Farzan, que liderou o estudo. 
 
Segundo Farzan, “ao contrário dos anticorpos, que são incapazes de neutralizar uma fracção ampla de estirpes do VIH-1, esta proteína é eficaz contra todas as estirpes testadas, o que aumenta a possibilidade de vir a ser utilizada no desenvolvimento de uma vacina alternativa e eficaz contra o vírus”.
 
De realçar que a equipa concebeu, também, um “veículo de distribuição” desta proteína no organismo: trata-se de um adenovírus inócuo e modificado geneticamente que, quando injetado nos tecidos musculares, tal como o VIH, transforma as células ali presentes em pequenas “fábricas” que produzem uma quantidade suficiente de eCD4-IG para proteger os indivíduos contra o vírus durante anos ou até décadas.
 
“Este é o culminar de mais de uma década de trabalho acerca dos processos bioquímicos através dos quais o VIH penetra nas células. Quando começámos, as pessoas acharam que [o projeto] era interessante, mas ninguém via o seu potencial terapêutico. Agora, este potencial está a começar a mostrar-se”, congratula-se Farzan.

Clique AQUI para aceder ao estudo publicado na Nature (em inglês).

Notícia sugerida por Elsa Martins

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close