Saúde

Descoberta pode aliviar dores causadas pelo cancro

Um grupo de investigadores internacionais descobriu o "gatilho" responsável pelas dores mais severas de que sofrem os pacientes com cancro. O segredo parece estar num gene, o TMPRSS2.
Versão para impressão
Um grupo de investigadores internacionais descobriu o “gatilho” responsável pelas dores mais severas de que sofrem os pacientes com cancro. O segredo parece estar num gene, o TMPRSS2, cujo potencial bloqueio poderá significar uma gestão da dor mais eficaz e um alívio para os doentes.
 
Os cientistas da Universidade de Toronto, no Canadá, da Universidade de Nova Iorque, nos EUA, e do Forsyth Institute de Cambridge, no Reino Unido, coordenados por David Lam, começaram por estudar os cancros da cabeça e do pescoço, que afetam, anualmente, mais de 550.000 pessoas em todo o mundo e que são considerados os mais dolorosos, reagindo apenas a opióides fortes como a morfina.
 
No decurso de uma investigação clínica realizada na Califórnia, nos EUA, Lam observou, porém, que a maioria dos pacientes com estes dois tipos de cancro eram homens, o que o levou a decidir investigar um marcador genérico com uma associação conhecida ao cancro da próstata: o gene TMPRSS2. 
 
“Quando o marcador TMPRSS2 está presente, o cancro da próstata é muito mais agressivo, porque o gene é sensível às hormonas masculinas”, revela Lam, em comunicado, explicando que o TMPRSS2 é capaz de entrar em contacto com os recetores nervosos do organismo, o que causa a dor.

Segundo o investigador, quando maior é este contacto, mais intensa é a dor sentida pelos pacientes, razão que conduziu a equipa a analisar outros tipos de cancro conhecidos por desencadear níveis mais reduzidos de dor, como o da mama ou o melanoma (cancro da pele).
 
De acordo com os cientistas, a presença e a quantidade do gene TMPRSS2 nas culturas de células cancerígenas analisadas mostraram estar em perfeita concordância com a intensidade da dor experienciada pelos doentes: quanto mais o gene se manifestava, maior era a dor, o que prova a sua influência fundamental.
 
Esta descoberta poderá, agora, conduzir ao desenvolvimento de novas terapêuticas para gerir a dor que bloqueiem a expressão deste gene ou o impeçam de se “infiltrar” nos recetores nervosos do organismo. 
 
“A inibição da atividade do gene TMPRSS2 nos pacientes poderá proporcionar uma nova forma de tratamento para a dor causada pelo cancro”, congratula-se Brian Schmidt, professor da Universidade de Nova Iorque, nos EUA, e coautor do estudo publicado na revista científica Pain.
 
Para David Lam, a alternativa mais eficaz para atenuar a dor deverá passar pelo “ataque” à produção e expressão do gene. “Sempre que houver um cancro com sintomatologia dolorosa antes do início do tratamento, poderemos analisar as células em busca do TMPRSS2 e atuar neste marcador específico”, finaliza o investigador.

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close