Saúde

Descoberta causa de cancro agressivo da mama

Cientistas britânicos acreditam ter descoberto a causa de um dos mais mortíferos tipos de cancro da mama, o triplo-negativo. Os investigadores identificaram um novo gene que pode ser responsável pelo seu desenvolvimento e progressão.
Versão para impressão
Cientistas britânicos acreditam ter descoberto a causa de um dos mais mortíferos tipos de cancro da mama, o triplo-negativo. Os investigadores identificaram um novo gene que é especialmente ativo em subtipos agressivos da doença, o BCL11A, e que pode o ser responsável pelo seu desenvolvimento e progressão.
 
O estudo de uma equipa do Wellcome Trust Sanger Institute, em Cambridge, no Reino Unido, publicado este mês na revista científica Nature Communications, debruçou-se sobre células humanas e de ratinhos e traz aos especialistas a hipótese de explorar novos caminhos no que toca ao combate a este tipo de tumor. 
 
Em comunicado, o instituto britânico explica que existem diversos tipos de cancro da mama e que todos eles respondem de forma diferente aos tratamentos disponíveis. Em média, cerca de apenas uma em cinco pacientes é afetada pelo cancro da mama triplo-negativo, particularmente perigoso por não responder à terapia hormonal utilizada noutros casos.
 
Embora estejam a ser explorados novos tratamentos, o prognóstico para este tipo de cancro continua a estar entre os menos otimistas, o que, esclarecem os cientistas, justifica a importância desta descoberta. 
 
A equipa do Wellcome Trust Sanger Institute analisou cerca de 3.000 casos de cancro da mama, procurando examinar as alterações causadas aos genes que afetam o comportamento das células estaminais e os tecidos em desenvolvimento, já que trabalhos anteriores sugeriam que, quando sofriam mutações, esses genes, entre eles o BCL11A, podiam servir de rastilho ao desenvolvimento do cancro.  
 
“A compreensão dos genes que levam ao crescimento das células estaminais permitiu-nos investigar as consequências que o organismo sofre quando estes genes começam a funcionar mal”, explica Pentao Liu, principal autor do estudo, que acrescenta que “a atividade do BCL11A se destacou por ser tão ativo em cancros triplo-negativo”. 

Gene poderá ser alvo de futuras terapias
 

Os investigadores detetaram elevados níveis de BCL11A em 8 dos 10 pacientes com um subtipo de cancro da mama agressivo, estando estes níveis associados a tumores mais avançados. Os casos em que foram identificadas cópias adicionais do BCL11A nos tumores correspondiam, também, a uma menor esperança de vida. 
 
“O nosso estudo genético com células humanas marcou, claramente, o BCL11A como um novo causador do cancro da mama triplo-negativo”, realça Walid Khaled, que também participou no estudo. “Além disso, provámos que acrescentar um gene BCL11A ativo a células humanas ou de ratinhos com cancro da mama as levou a comportarem-se como células cancerígenas”, acrescenta. 
 
Por outro lado, quando a atividade do BCL11A foi reduzida em três amostras de células cancerígenas, as células perderam algumas das suas caraterísticas oncológicas e viram enfraquecida a sua capacidade de levar ao desenvolvimento de tumores. 
 
Numa experiência com ratinhos em que o gene foi desativado, nenhum dos animais desenvolveu cancro da mama, ao passo que todos os animais não tratados o desenvolveram. 
 
A descoberta deverá permitir aos especialistas encontrar mais tratamentos alternativos para este tipo de cancro da mama e a equipa acredita que o BCL11A poderá ser um forte candidato a transformar-se em alvo de futuras terapias.

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês). 

Notícia sugerida por António Resende

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close