Ciência

Depressão: Portugueses descobrem possível tratamento

Uma equipa de investigadores portugueses descobriu um possível tratamento para doenças de alteração do comportamento, como, por exemplo, o autismo e a depressão.
Versão para impressão
Uma equipa de investigadores portugueses descobriu um possível tratamento para doenças de alteração do comportamento, como, por exemplo, o autismo e a depressão. Os resultados foram alcançados através do estudo de glicocorticoides, um tipo de hormonas produzidas durante o stress. 
 
Levado a cabo pelo Instituto de Investigação em Ciências da Vida e da Saúde da Universidade do Minho, o estudo quis perceber como é que os glicocorticoides atuam durante o período pré-natal e deu conta de um possível tratamento para doenças do foro comportamental. 
 
Em comunicado enviado ao Boas Notícias, os investigadores referem que o stress durante a gravidez, não só é desagradável para a mãe, como também é extremamente perigoso para o bebé. Acontece que os glicocorticoides, produzidos pela grávida, podem interferir com o desenvolvimento do cérebro da criança, dando origem a indivíduos com sérios problemas emocionais e comportamentais. 
 
“O efeito pré-natal dos glucocorticoides sobre o comportamento está associado a alterações nos níveis de dopamina (um neurotransmissor/proteína que transmite mensagens entre células nervosas) em duas zonas do cérebro ligadas à percepção do prazer”, referem os investigadores.

Medicamento de Parkinson usado para tratar problemas emocionais
 

Ainda assim, o resultado mais interessante foi observar que “os problemas emocionais e sociais destes ratos podem ser resolvidos com um medicamento usado para a doença de Parkinson (também caraterizada por deficiência de dopamina), uma descoberta que pode ter implicações para várias doenças neurológicas em que há deficiências emocionais e sociais semelhantes ou que estão ligadas a stress pré-natal, incluindo autismo, hiper-atividade, depressão e esquizofrenia”.
 
Os resultados da investigação “Dopaminergic modulation of affective and social deficits induced by prenatal glucocorticoid exposure” foram publicados na edição de Setembro da revista 'Neuropsychopharmacology' e o estudo é assinado por Sónia Borges, Bárbara Coimbra, Carina Soares-Cunha, José Miguel Pego, Nuno Sousa e Ana João Rodrigues.

Notícia sugerida por André Luís, Elsa Fonseca e Maria Manuela Mendes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close