Cultura

Curtas portuguesas esgotam cinema de Nova Iorque

A 3ª edição do New York Portuguese Short Film Festival, um evento que, desde 2011, divulga o trabalho de realizadores, atores e produtores portugueses em Nova Iorque, EUA, fez esgotar, este fim-de-semana, a sala dos Cinemas Tribeca.
Versão para impressão
A 3ª edição do New York Portuguese Short Film Festival, um evento que, desde 2011, divulga o trabalho de realizadores, atores e produtores portugueses em Nova Iorque, EUA, fez esgotar, este fim-de-semana, a sala dos Cinemas Tribeca, naquela cidade norte-americana.
 
Este ano, o festival, organizado pelo Arte Institute, contou com 13 filmes selecionados para participar entre um total de 100 candidatos. Em declarações à Lusa, Ana Ventura Miranda, a diretora da organização, revelou que “a participação foi muito superior à dos anos anteriores, tendo quase duplicado” e que “a qualidade dos filmes se manteve”.
 
Segundo a responsável, o objetivo do festival é que o mesmo se constitua como “uma ponte para outros mercados, como o americano”. A edição deste ano, por exemplo, já produziu resultados: duas curtas-metragens nacionais foram selecionadas para o Provincetown International Film Festival e para o Queens World Film Festival. 
 
No primeiro dia do evento, que terminou este domingo, amantes de cinema portugueses, brasileiros, espanhóis, norte-americanos e suíços, “muitos deles ligados à indústria, como produtores, atores e distribuidores”, encheram a sala dos Cinemas Tribeca. 

Jurados estrangeiros surpreendidos com “ambição”
 

O júri convidado pela organização para avaliar os filmes a concurso contou com personalidades do meio cinematográfico português, brasileiro e americano, tais como Alejandro Merizalde (do museu MoMA), o argumentista Rui Vilhena, o ator Ricardo Pereira ou o 'blogger' Carlos Filipe Freitas.
 
Entre os jurados estiveram ainda Jared Earley, diretor de programação do Provincetown International Film Festival, Isil Bagdadi, fundadora da produtora CAVU, e o realizador Americano Don Cato.
 
Bagdadi, que também desempenhou funções de júri no festival Sundance, explicou, ouvida pela Lusa, que os critérios de seleção [das melhores curtas] foram “o gosto pessoal, a originalidade e a qualidade da produção”, e admitiu que o que mais a surpreendeu foi “a ambição dos jovens realizadores portugueses”.
 
 “Não conhecia muito cinema português, por isso achei inacreditável a qualidade dos concorrentes. A qualidade técnica, a densidade das histórias, muitas delas podiam ser transformadas em longas-metragens, o que mostra a ambição dos realizadores”, salientou Isil Bagdadi. 
 
O New York Portuguese Short Film Festival foi o primeiro festival de cinema português a chegar aos Estados Unidos e acontece em simultâneo em Portugal, no Brasil e em Inglaterra. O evento conta com o apoio da cidade de Nova Iorque, por intermédio do seu departamento de assuntos culturais. 
 
A organização é da responsabilidade do Arte Institute, entidade sem fins lucrativos fundada a 11 de Abril de 2011 com sede em Nova Iorque, que dinamiza a produção e difusão de artistas e projetos de arte contemporânea portuguesa. 

Notícia sugerida por Patrícia Guedes

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close