Mundo

Cultura lusitana influenciou toda Europa há 5.000 anos

Há 5.000 anos, as inovações ibéricas, sobretudo lusitanas, marcaram de forma drástica a Europa. O investigador Pedro Soares, da Universidade do Minho, está a confirmar esta teoria com um projeto que envolve, até 2019, parcerias com especialistas inte
Versão para impressão
Há 5.000 anos, as inovações ibéricas, sobretudo lusitanas, terão marcado de forma drástica a Europa. O investigador Pedro Soares, da Universidade do Minho, está a confirmar esta teoria com um projeto que envolve, até 2019, parcerias com arqueólogos, antropólogos, linguistas e geneticistas de Inglaterra, Itália e Espanha.

O estudo poderá assim demonstrar que não foi apenas nos Descobrimentos que os ibéricos influenciaram o mundo. “No final da Pré-História surgiu na Estremadura portuguesa a cultura campaniforme, associada a vasos com a forma de sino invertido (foto abaixo), novos objetos, técnicas avançadas e comércio à distância", refere Pedro Soares num comunicado enviado ao Boas Notícias. 

"Este povo terá protagonizado uma onda de migração para o resto da Europa, influenciando-a significativamente no seu desenvolvimento económico, social e cultural. Estaríamos na altura a exportar inovações para zonas como a atual Alemanha. Hoje verifica-se provavelmente o inverso”, exemplifica. 

 
O projeto de Pedro Soares, financiado pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia, centra-se na comparação de populações, através do ADN mitocondrial.

Este pequeno anel de material genético está fora do núcleo celular, nas mitocôndrias, e é transmitido pelas mães às filhas e filhos, permitindo assim remontar às mães ancestrais de dada população.

Pedro Soares vai avaliar linhagens encontradas em ossadas e restos arqueológicos de há 4.000, 5.000 anos e ver ligações entre populações ibéricas e as da Europa central, britânica, de leste e mediterrânica. “Não se sabe ainda a motivação dessa migração ibérica, mas a influência que teve na cultura europeia tem reunido consenso entre cientistas”, frisa o investigador.


População do estuário do tejo foi líder em inovação
 
A cultura campaniforme terá nascido na região do estuário do Tejo, a crer nos vestígios de inícios da Idade do Cobre encontrados nos castros de Zambujal (Torres Vedras), São Pedro (Azambuja) ou Chibanes (Palmela).

Bellbeaker map europe.jpg
Mapa dos lugares onde foram encontrados objetos da cultura do vaso campaniforme © R. J. Harrison (UK)


O fenómeno coincidiu com inovações como a prática da agricultura, a invenção da roda, o uso da força animal para transporte e a domesticação de animais, como o cavalo, alargando as trocas comerciais (chegou marfim à Estremadura, por exemplo).

Os vasos e copos campaniformes, por vezes decorados, foram sobretudo achados em contexto funerário, a par de objetos como punhais de cobre, proteções de braço dos arqueiros e botões em “V” perfurados.


Artigos de Pedro Soares citados 2.000 vezes
 
Pedro Soares nasceu em Amares há 35 anos e está há dois anos na UMinho, como cientista do CBMA e do Instituto para a Biossustentabilidade (IB-S) e professor convidado da Escola de Ciências.

O geneticista fez a licenciatura em Biologia na Universidade do Porto e o doutoramento e pós-doutoramento em Genética Humana na Universidade de Leeds (Reino Unido), respetivamente com bolsas Marie Curie e da British Academy, e pós-doutoramento no IPATIMUP. Dedica estudos à Europa, África, Ásia e Pacífico, tendo os seus artigos científicos sido citados quase duas mil vezes nos últimos cinco anos.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close