Ambiente

CTT: Português ilustra vida do lince-ibérico em selos

A convite dos CTT, o ilustrador científico português Fernando Correia desenhou uma nova série de cinco selos dedicada a cinco diferentes fases do ciclo de vida do lince-ibérico, que foi, recentemente, reintroduzido em Portugal.
Versão para impressão
A convite dos CTT – Correios de Portugal, o ilustrador científico português Fernando Correia desenhou uma nova série de cinco selos dedicada a cinco diferentes fases do ciclo de vida do lince-ibérico, uma das espécies de felino mais ameaçadas de extinção em todo o mundo e que foi, recentemente, reintroduzida em Portugal.
 
O biólogo e docente da Universidade de Aveiro (UA) foi desafiado a criar um conjunto de selos que representasse a espécie (classificada como “Criticamente em Perigo” pela União Internacional para a Conservação da Natureza) e o esforço da sua reintrodução em território nacional por intermédio do Centro Nacional de Reprodução do Lince-Ibérico (CNRLI), em Silves.
 
O trabalho foi realizado ao longo de quatro semanas, durante as quais o ilustrador desenhou e pintou por mais de 12 horas diárias e que se seguiram a vários dias passados no Jardim Zoológico de Lisboa, onde obteve esboços de comportamento dos animais e registos fotográficos, e a ampla pesquisa bibliográfica feita na Internet e com a ajuda de especialistas e fotógrafos profissionais, como António Sabater.
 
“Sendo uma das espécies mais gráceis e bonitas da nossa fauna, houve todo um cuidado trabalho de planeamento sobre o que cada selo deveria transmitir, isoladamente e em conjunto”, explica, em comunicado divulgado pela UA, Fernando Correia, confessando que o resultado “colheu os melhores elogios da equipa dos CTT Portugal, que acompanhou todo o processo”.
 
De acordo com o ilustrador, a série filatélica, apresentada a 30 de Abril no Centro Cultural de Belém, em Lisboa, procurou “construir a história ideal deste novo ciclo de vida do lince-ibérico, narrada em cinco vinhetas (cada uma delas correspondente a um selo) organizadas como se de uma tira de banda desenhada se tratasse”. 

Cinco selos, cinco fases da vida do lince

 
A única condição colocada pelos CTT foi o reconhecimento, num dos selos, do papel do Jardim Zoológico de Lisboa, que, desde Dezembro de 2014, alberga um casal de linces nas suas instalações, contribuindo para a preservação desta espécie endémica da Península Ibérica, bem como para a sensibilização e educação da população.
A primeira vinheta representa, portanto, em cativeiro, este casal reprodutor, cujas ninhadas são, depois, criadas e libertadas na Natureza. O segundo selo coloca, por seu lado, em evidência, a presa favorita do lince quando este está já no seu 'habitat' e plenamente adaptado: o coelho, do qual se alimenta quase exclusivamente.
 
O terceiro selo representa o momento do descanso, após o repasto, e o quarto ilustra a busca de companhia para a reprodução através do chamamento. A encerrar a série está a representação da reprodução da espécie na Natureza, com a ilustração de uma progenitora rodeada de quatro crias (o número máximo que nasce em estado selvagem), visando simbolizar “o sucesso da missão de reintrodução”.

Um contributo para a preservação da espécie
 

Segundo Fernando Correia, este foi um desafio que o cativou não apenas por se tratar de um tema que o apaixona enquanto biólogo e ilustrador científico, mas por se constituir como uma oportunidade de dar o seu contributo para a conservação da espécie, divulgando-a por intermédio destas “unidades comunicacionais tão singulares e disseminadas que são os selos”. 
 
Com este contributo, e indiretamente, o ilustrador quis ainda homenagear a fêmea de lince-ibérico Kayakweru, libertada na Natureza no passado dia 7 de Fevereiro e encontrada morta pouco mais de um mês depois, nas redondezas de Mértola, vítima de envenenamento.
 
A nova emissão filatélica dos CTT de homenagem ao lince-ibérico é composta por quatro selos e um bloco. O selo com maior tiragem (155.000 exemplares) tem um valor facial de 0,45€, havendo também selos com valor facial de 0,55€ e tiragem de 120.000 exemplares, 0,72€ e tiragem de 145.000 exemplares, 0,80€ e tiragem de 115.000 exemplares e um bloco com um selo com valor de 2,00€ e uma tiragem de 40.000 exemplares.
 
Esta não é a primeira vez que Fernando Correia trabalha na área da filatelia: em 2013, o ilustrador científico tinha já sido convidado pela convidado pela Organização das Nações Unidas (ONU) para desenhar, também em selos, outras quatro espécies de mamíferos ameaçadas de extinção.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close