Sociedade

Cruz Vermelha recebe medalha da rainha espanhola

A Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) foi, esta quarta-feira, agraciada com uma Medalha de Ouro da Cruz Vermelha Espanhola no dia em que se assinalou a celebração do 150º aniversário do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho.
Versão para impressão
A Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) foi, esta quarta-feira, agraciada com uma Medalha de Ouro da Cruz Vermelha Espanhola no dia em que se assinalou a celebração do 150º aniversário do Movimento Internacional da Cruz Vermelha e do Crescente Vermelho. A medalha foi atribuída à instituição durante uma cerimónia presidida pela Rainha Sofia de Espanha.
 
As 187 sociedades nacionais e os cerca de 13 milhões de voluntários comemoraram, a 8 de Maio, um século e meio de ação humanitária, bem como a sua relevância local e global num mundo em constante mudança, explica a CVP em comunicado. Neste âmbito, a organização nacional foi premiada em Málaga, Espanha, pelo seu trabalho. 
 
“Apesar das dificuldades, temos a forte convicção de que as nossas comunidades e o mundo podem ser melhores e que este desígnio não deve sair do nosso horizonte”, afirmaram os responsáveis no discurso oficial de agradecimento da medalha, mostrando-se satisfeitos com “o reconhecimento, pela Cruz Roja Española, da missão e trabalho [da CVP] em favor dos mais vulneráveis”. 
 
“Face à crise económica e social que vivemos em Portugal, as carências humanitárias são muitas e atingem diversos grupos. Neste cenário, a Cruz Vermelha Portuguesa tem vindo a procurar encontrar novos caminhos de esperança e oportunidades”, destacou Luís Barbosa, presidente nacional da CVP,  garantindo que a instituição se compromete “a continuar a fazê-lo sempre.
 
O caminho do Movimento Internacional da Cruz Vermelha começou a traçar-se há 150 anos atrás, quando o humanista suíço Henry Dunant publicou o livro “Recordação de Solferino” e sugeriu a criação de sociedades voluntárias de socorro em tempo de guerra e de um tratado internacional que protegesse as vítimas desse conflito.
 
Esta foi a primeira semente das futuras Convenções de Genebra e para o Direito Internacional Humanitário e, salientou a CVP, as ideias de Henry Dunant continuam, ainda hoje, “a ser os pilares do Movimento, dando-lhe força, sentido e significado”. 

Notícia sugerida por Elsa Martins

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close