Sociedade

Crianças: Portuguesas criam teste que avalia linguagem

Um grupo de investigadoras portuguesas da Universidade de Aveiro e do Instituto Politécnico de Setúbal criaram um teste que permite avaliar as competências linguísticas das crianças.
Versão para impressão
Um grupo de investigadoras portuguesas da Universidade de Aveiro e do Instituto Politécnico de Setúbal criaram um teste que permite avaliar as competências linguísticas das crianças. O instrumento é capaz de identificar problemas de semântica, morfossintaxe e fonologia.

Com esta técnica, é possível detetar problemas na linguagem das crianças antes de entrarem para a escola. O teste de linguagem de nome Avaliação de Linguagem Pré-Escolar (ALPE) avalia as capacidades linguísticas das crianças, entre os três e os seis anos, através de um livro de imagens, uma coleção de objetos e um manual de instruções.

 
Em declarações à Lusa, a investigadora do Instituto de Engenharia Eletrónica e Telemática de Aveiro (IEETA) , Maria Lousada, explica que “o terapeuta da fala pode avaliar nas crianças a forma como constroem frases, o tipo e a riqueza do vocabulário que utilizam e a compreensão que têm ou não sobre a linguagem”.
 
“Quanto mais cedo se identificarem as crianças com problemas, mais cedo podem começar a ser tratadas de forma a que, quando ingressarem na escola, já estejam a ser acompanhadas”, revelou Ana Mendes, investigadora no IEETA e docente no Politécnico de Setúbal.
 
Para Marisa Lousada a falta de instrumentos aferidos para o português europeu não permitia aos terapeutas avaliar a compreensão e a expressão das crianças, “o que dificultava a avaliação dos critérios internacionais”.
 
O TL-ALPE foi desenvolvido ao longo de dez anos e testado em 817 crianças de onze distritos e duas regiões autónomas. Estas crianças, com um desenvolvimento normal, serviram para construir a base de dados normativos. O teste permite perceber se as crianças estão dentro dos parâmetros linguísticos considerados normais para as suas idades.
 
Este instrumento tem ainda a assinatura das docentes Fátima Andrade, do Departamento de Educação da Universidade de Aveiro, e de Elisabete Afonso, professora no ensino secundário. 
 
O teste, desenvolvido no âmbito de dois projetos de investigação financiados pela Fundação Calouste Gulbenkian, pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e pelo Ministério da Educação e Ciência, vai ser agora colocado no mercado.

 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close