Em Destaque Inovação e Tecnologia

Cortiça viaja para Marte

Engenharia portuguesa pretende que as amostras de Marte cheguem intactas à Terra
Versão para impressão

O ISQ está envolvido num novo projeto para a exploração de Marte. Trata-se de um projeto  desenvolvido para a Agência Espacial Europeia (ESA), coordenado pela Amorim, que conta com a participação do ISQ, do PIEP e da Critical Materials.

O objetivo das duas missões, Mars Sample Return (NASA e ESA) e Phootprint- Phobos Sample Return (ESA), é o de enviar sondas para Marte, recolher o rególito marciano e de seguida transportá-lo para o planeta Terra.

O projeto desenvolvido por este conjunto de entidades portuguesas teve como objetivo o desenvolvimento de um sistema de escudo de proteção térmica e amortecimento de choques na aterragem a incorporar nas 2 missões referidas anteriormente.

Este projeto foi composto por diversas fases: a Engenharia, a construção e testes do demonstrador do escudo de proteção térmica e amortecimento de choques na aterragem.

A Amorim, líder do projeto, construiu o demonstrador, enquanto a Critical Materials procedeu ao desenvolvimento da engenharia. O ISQ e a PIEP ficaram encarregues dos testes de desenvolvimento, sendo que o ISQ ficou também responsável pelos testes de validação final do demonstrador, executados nas suas instalações de Castelo Branco.

Durante a fase de desenvolvimento tecnológico do sistema foram realizados ensaios mecânicos, ensaios de condutividade térmica, de calor específico, de impacto e de caracterização de materiais. Este sistema será colocado num veículo que trará amostras de Marte para a Terra.  O objetivo é conseguir que essas amostras oriundas de Marte cheguem intactas à Terra.

Na fase de validação final foi realizado um ensaio de impacto, onde foi simulada a aterragem da sonda. O projeto atingiu os objetivos planeados, embora seja um projeto a longo prazo.

Estamos perante uma solução de engenharia portuguesa, que exigiu mais de 2 anos de trabalho e um investimento de 400 mil euros, com a mais-valia de ser uma solução mais leve, mais simples, 25% abaixo do peso máximo exigido.

De realçar que nos últimos dez anos o ISQ investiu mais de 55 M€ em projectos nacionais e europeus de I&D em diferentes áreas, incluindo a aeroespacial e aeronáutica, tendo participado em vários projectos em parceria com organizações como a EADS (European Aeronautic Defence and Space Company), Rolls-Royce, MTU, Nasa e Agusta Westlande Airbus.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close