Ciência

Contacto com natureza diminui risco de asma e alergias

A grande mobilização de pessoas do campo para a cidade pode estar na origem do crescimento da taxa de incidência de asma e outras alergias. A conclusão é de um estudo finlandês que acredita que o contacto com a natureza pode diminuir esta tendência.
Versão para impressão
A grande mobilização de pessoas do campo para a cidade pode estar na origem do crescimento da taxa de incidência de asma e outras alergias. A conclusão é de um estudo finlandês que acredita que o contacto com a natureza pode diminuir a tendência para o aumento de doenças respiratórias.
 
Os investigadores descobriram que certas bactérias, apontadas em outros estudos como benéficas para a saúde humana, são encontradas em maior abundância em ambientes rurais do que em ambientes urbanos. Esses micro-organismos são fundamentais para o desenvolvimento e manutenção do sistema imunológico.
 
“Existem micróbios em todo o lado, inclusive em áreas urbanas, mas os micróbios de ambientes naturais são mais benéficos para nós”, disse à BBC Ilkka Hanski,da Universidade de Helsínquia, um dos autores do estudo.
 
O trabalho foi levado a cabo através da colheita de amostras de pele de 118 adolescentes finlandeses e revelou que aqueles que vivam em quintas ou perto de florestas tinham maior diversidade de bactérias no organismo e eram menos sensíveis a alergias.
 
Para Hanski, os micro-organismos são importantes porque ajudam a formar uma camada de micróbios protetores – a microbiota -, que contribuem “para o desenvolvimento e manutenção do sistema imunológico”.
 
O estudo, publicado na revista científica Proceedings of the National Academy of Sciences, também permitiu que a equipe identificasse um grupo de bactérias, conhecidas como gama proteobactérias, associadas “ao desenvolvimento de moléculas anti-inflamatórias”.

É importante ter cidades com espaços verdes

 
“A urbanização é um fenómeno relativamente recente, durante a maior parte do nosso tempo (de evolução da espécie humana), temos interagido em uma área que hoje chamamos de ambiente natural”, referiu o investigador, acrescentando que a movimentação pode ser pode ser vista como “uma oportunidade perdida, para muitas pessoas, de interagir com o meio natural e sua biodiversidade, inclusive as comunidades de micróbios”.
 
Hanski admite que não é possível reverter a tendência global de urbanização, mas disse que há uma série de opções para aumentar o contacto com ambientes naturais. “Além de preservar áreas naturais fora de áreas urbanas, acho que é importante fazer um planeamento de cidades que inclua espaços verdes”

Consulte o estudo na íntegra AQUI.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close