Saúde

Comprimido probiótico pode ser a cura da diabetes

A toma de um simples comprimido todas as manhãs pode vir a ser suficiente para tratar a diabetes. A conclusão é de um novo estudo norte-americano, que descobriu que um probiótico encontrado no intestino humano pode ajudar a reduzir os níveis elevados
Versão para impressão
A toma de um simples comprimido todas as manhãs pode vir a ser suficiente para tratar a diabetes. A conclusão é de um novo estudo norte-americano, que descobriu que um probiótico encontrado no intestino humano pode ajudar a reduzir os níveis elevados de açúcar no sangue associados à doença.
 
Investigadores da Universidade de Cornell, nos EUA, desenvolveram uma estirpe modificada de 'lactobacillus', um probiótico existente em abundância no intestino, capaz de segregar um peptídeo semelhante à glicagina, hormona produzida no pâncreas e nas células do tracto intestinal que aumenta a glicemia (isto é, o nível de glicose no sangue). 
 
No âmbito de um estudo publicado a semana passada na revista científica Diabetes, os cientistas daquela universidade norte-americana administraram oralmente este probiótico a ratos diabéticos durante 90 dias e descobriram que os modelos animais que receberam o composto modificado apresentavam níveis de glicose no sangue 30% inferiores aos dos restantes. 
 
Os investigadores constaram, também, que, com a administração do peptídeo, as células epiteliais da área superior do tracto intestinal se convertiam em células semelhantes às células-beta do pâncreas, que não funcionam em pacientes diabéticos mas que, em indivíduos saudáveis, gerem os níveis de glicose no sangue e segregam insulina conforme necessário para manter o organismo equilibrado.
 
Embora a investigação seja ainda preliminar, a equipa pretende, agora, testar doses mais elevadas do probiótico para perceber se é possível conseguir um controlo total da doença, revela, em comunicado, John March, principal autor do estudo e professor de Engenharia Biológica e Ambiental da Universidade de Cornell.
 
Com este tratamento, em ratos diabéticos, “o tempo necessário para a redução dos níveis de glicose depois de uma refeição é o mesmo de que necessitam os ratos saudáveis e está em concordância com a quantidade de glicose no sangue”, tal como estaria num pâncreas com uma atividade normal, explica March.
 
A solução permite, portanto, basicamente, “transferir o centro de controlo da glicose do pâncreas para a parte superior do intestino”, acrescenta o investigador. Segundo March, no futuro, tomar um comprimido probiótico todas as manhãs poderá chegar para manter a doença sob controlo. 
 
A tecnologia da Universidade de Cornell já foi licenciada pela empresa BioPancreate, subsidiária de uma companhia biofarmacêutica sueca, que está a trabalhar para começar a produzir o peptídeo para uso humano. 

Clique AQUI para aceder ao estudo (em inglês). 

Notícia sugerida por Maria da Luz

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close