Inovação e Tecnologia

Coimbra testa bomba de calor geotérmica

Coimbra é uma das oito cidades europeias onde estão a ser testadas as vantagens da implementação de bombas de calor geotérmico.
Versão para impressão
Coimbra é uma das oito cidades europeias onde estão a ser testadas as vantagens da implementação de bombas de calor geotérmico. Esta tecnologia, muito utilizada nos países nórdicos, consome menos energia do que os equipamentos de ar condicionado ou aquecedores e garante o mesmo nível de conforto.
 
Uma tecnologia eficaz que promete substituir de forma ecológica os tradicionais sistemas de calor. São as chamadas bombas de calor geotérmico e as suas vantagens estão a ser testadas em Coimbra.
 
A experiência faz parte do projeto europeu GroundMed que, em conjunto com uma equipa de investigadores do Instituto de Sistemas e Robótica da Universidade de Coimbra, vai avaliar o impacto desta tecnologia em regiões junto ao Mediterrâneo.
 
Os estudos, efetuados na instalação-piloto no edifício da Administração da Região Hidrográfica do Centro, demonstraram que no Verão os equipamentos de ar condicionado instalados consumiram, em média, 62kWh/dia. Com a tecnologia da bomba geotérmica, o consumo reduziu para os cerca de 28kWh diários.

Energia mais estável
 

“As bombas de calor geotérmicas como não dependem da temperatura exterior, mas sim da temperatura do subsolo (7 furos a 150 metros de profundidade no caso da instalação piloto em Coimbra) “, mantêm-se muito estáveis ao longo do ano, sendo “possível garantir o mesmo conforto utilizando menos energia elétrica, reduzindo a fatura elétrica e as emissões de CO2”, explica o investigador André Quintino Duarte.
 
A próxima fase do projeto, financiado em 4,3 milhões de euros, passa pela incorporação de um tanque cilíndrico revestido com material de mudança de fase (PCM – Phase Change Material), encapsulado, para armazenar energia térmica, calor no caso da instalação em Coimbra e frio na instalação em Septèmes-les-Vallons, em França. 
 
O investigador destaca a redução de custos com a “eletricidade na climatização de edifícios procedendo-se ao carregamento do tanque durante a noite, aproveitando as tarifas de eletricidade mais baratas”.
 
Os cientistas acreditam que a implementação das bombas em grandes edifícios, como os hospitais, onde há elevados gastos energéticos, trará grandes vantagens.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close