Sociedade

Coimbra: Faculdade cria método que reduz erro médico

Investigadores da Faculdade de Direito de Coimbra criaram um sistema legal menos agressivo e mais favorável à redução do erro médico, que pode tornar mais eficaz a resolução de casos em tribunal e a atribuição de indemnizações aos pacientes.
Versão para impressão
A Universidade de Coimbra (UC) anunciou a criação de um sistema legal menos agressivo e mais favorável à redução do erro médico. A instituição prevê que este projeto seja apresentado no início do mês de Outubro e espera tornar mais eficaz a resolução de casos em tribunal e a atribuição de indemnizações aos pacientes.
 
O professor catedrático Guilherme de Oliveira explicou à agência Lusa que o “ambiente litigioso entre médicos, advogados e doentes lesados é muito agressivo” e que, por isso é “imperioso delinear um sistema mais equilibrado e mais tranquilo entre as partes”.
 
O estudo “Para um quadro legal de responsabilidade médica menos agressivo, mais eficaz e mais favorável à redução do erro médico” está a ser desenvolvido há dois anos na Faculdade de Direito da UC por uma equipa de 10 investigadores e conta com o financiamento da Fundação para a Ciência e Tecnologia.
 
A dificuldade em “estabelecer a verdade do que se passou” num determinado caso e de “provar os factos que sustentam as ações judiciais” foram os grandes motivos pelo qual a equipa de investigadores se lançou neste projeto.
 
Guilherme de Oliveira acredita que é “necessário viabilizar um sistema que promova a tranquilidade e o civismo no momento da reparação dos danos”. O presidente do Centro de Direito Biomédico da UC tem por base os mecanismos de avaliação da Áustria e da França que, apesar de serem “mais dispendiosos”, são “muito mais eficazes para a reparação de danos”.

Sistema menos violento para médicos e mais célere para pacientes
 
“Verificámos que a lei atual é ineficaz e muito violenta. Admitimos que valha a pena apresentar sugestões de alteração à legislação, no sentido de viabilizar um sistema que simultaneamente seja menos agressivo para os médicos, que os arrasta anos para os tribunais, e mais célere para os doentes, nomeadamente ao nível das indemnizações”, sublinhou.
 
As conclusões finais deste estudo vão ser apresentadas durante o mês de Outubro, em Coimbra, numa conferência internacional sobre Direito Biomédico, promovida pela Associação Europeia de Direito da Saúde.

[Notícia sugerida por Ana Oliveira]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close