Saúde

Cogumelos mágicos podem ajudar a tratar depressão

A psilocibina, um ingrediente ativo dos cogumelos mágicos, pode ser uma alternativa mais eficaz contra depressões severas, conclui um estudo do Reino Unido, que observou um grupo de 12 pacientes sob o efeito da droga psicadélica.
Versão para impressão
A psilocibina, um ingrediente ativo dos cogumelos mágicos, pode ser uma alternativa eficaz contra depressões severas, conclui um pré-estudo do Reino Unido, que avaliou os efeitos desta substância em 12 pacientes.

O tratamento foi testado num grupo, composto por seis homens e seis mulheres que sofriam de depressão crónica há vários anos (e em alguns casos décadas) e que já tinham tentado, sem sucesso, vários tratamentos.

Os participantes foram submetidos a dois dias de tratamento com psilocibina. Os resultados mostraram que oito pacientes entraram em remissão uma semana depois do tratamento e cinco estiveram três meses sem sinais de depressão.

No primeiro dia, cada paciente tomou uma dose baixa de psilocibina por ingestão oral (uma cápsula de 10mg). Uma semana depois, no segundo dia de tratamento, os indivíduos foram expostos a uma dose mais elevada (25mg).

Os pacientes ingeriram as cápsulas deitados numa cama, acompanhados por dois psiquiatras, numa sala com música e pouca iluminação. Os indivíduos foram depois sujeitos a um exame de ressonância magnética e, já depois dos tratamentos, sujeitos a acompanhamento psicológico especializado.

Resultados positivos, mas não conclusivos

O estudo, levado a cabo pelo Imperial College de Londres, foi publicado no "Lancet Psychiatry Medical Journal", mas os investigadores afirmam ter-se tratado apenas de um estudo de viabilidade pelo que são necessárias investigações mais aprofundadas sobre os efeitos de longo prazo da droga, antes de ser considerada adequada para tratamento.

Foram necessários três anos para obter permissão para conduzir este estudo no Reino Unido, onde a psilocibina é considerada uma droga de Classe A (que também engloba substâncias como a heroína, cocaína e ecstasy). Este estudo prévio recebeu um financiamento de 650 mil euros do Medical Reseach Council.

Como atua a psilocibina?

Os efeitos psicadélicos da psilocibina começam a ser notados entre 30 a 60 minutos após a ingestão das cápsulas, atingindo o seu pico 2-3 horas depois do consumo. Em alguns pacientes foram observados efeitos secundários como ansiedade, náuseas e dores de cabeça. Dois deles também reportaram episódios breves de paranoia.

Para este estudo foram produzidas, sinteticamente, 40 doses da substância. Cada paciente ingeriu uma quantidade equivalente a cinco cogumelos mágicos durante as sessões, o que garante (pelo menos) seis horas de alucinações psicadélicas. Os pacientes foram supervisionados durante este período.

"Estas experiências com psilocibina podem ser incrivelmente profundas", diz o investigador Dr. Robin Carhart-Harris, citado no Daily Mail. "Às vezes as pessoas têm aquilo que descrevem como sendo experiências místicas ou espirituais. Não é uma cura mágica, mas nesta fase os efeitos parecem promissores".

A utilização de cogumelos mágicos pelo público para tratamento de depressões, contudo, é desaconselhada pelos peritos. A substância também não reúne consenso entre a comunidade científica, que se encontra dividida sobre o modo como atua no tratamento da depressão.

Os resultados mostram, no entanto, haver potencial enquanto alternativa aos tratamentos mais convencionais. No caso de alguns dos pacientes envolvidosos antidepressivos derivados dos cogumelos mágicos ajudaram a aliviar os sintomas de depressão durante meses a fio, incluindo em situações consideradas severas.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close