Cultura

Cinema: Obras históricas no “currículo” escolar

Cerca de 20 escolas do ensino básico e secundário vão adotar, este ano letivo, o novo Plano Nacional de Cinema, que tem por objetivos a formação de novos públicos e a divulgação de "obras cinematográficas de importância histórica".
Versão para impressão
Cerca de 20 escolas do ensino básico e secundário vão adotar, este ano letivo, o novo Plano Nacional de Cinema, um projeto apresentado em Lisboa esta sexta-feira e que tem por objetivos a formação de novos públicos e a divulgação de “obras cinematográficas de importância histórica”.
 
O Plano Nacional de Cinema (PNC), criado pela Secretaria de Estado da Cultura e pelo Ministério da Educação e Ciência e que será coordenado por Graça Lobo, vai ser semelhante a um programa que já existe desde 1998 no Algarve, intitulado “Juventude Cinema Escola”, que tem tido a mesma coordenação.
 
Entre os filmes sugeridos pelo plano, que deverão ser divulgados junto dos alunos, estão, por exemplo, Aniki Bóbó, de Manoel de Oliveira, O Garoto de Charlot, de Charlie Chaplin, Serenata à Chuva, de Stanley Donen, e Eduardo Mãos de Tesoura de Tim Burton. Nas obras propostas há ainda trabalhos de João Salavisa, Regina Pessoa, José Miguel Ribeiro, Luís Filipe Rocha e Fernando Lopes.
 
A ideia do PNC já tinha sido anunciada anteriormente pelo secretário de Estado da Cultura, Francisco José Viegas, e está inscrita na nova lei do cinema e do audiovisual, com o propósito de impulsionar a criação de novos públicos e sensibilizá-los para as práticas cinematográficas e, em particular, para o cinema português.
 
Durante o presente ano letivo, o PNC funcionará em 23 estabelecimentos de ensino públicos e privados em todos os distritos, sendo que nos de Lisboa e Faro estão previstas seis escolas e no Porto duas escolas. 
 
“Em cada uma das escolas o plano será desenvolvido por um professor coordenador, sob a direção e com a responsabilidade do diretor da escola ou do agrupamento”, explicaram as tutelas da Cultura e Educação, citadas pela agência Lusa.
 
Caso o projeto-piloto seja bem-sucedido, o plano será posteriormente alargado aos restantes níveis de escolaridade, incluindo os primeiros anos do ensino básico, referiram os responsáveis. 

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close