Ambiente

Cientistas transformam arrotos de vacas em gás natural

Um grupo de cientistas argentinos descobriu uma forma de obter gás natural através dos gases emitidos pelas vacas durante o processo de digestão. O objetivo é controlar o efeito estufa do planeta e gerar energia limpa.
Versão para impressão
Um grupo de cientistas argentinos descobriu uma forma de obter gás natural através dos gases emitidos pelas vacas durante o processo de digestão. O objetivo é controlar o efeito estufa do planeta e gerar energia limpa.

Se pensava que os bovinos serviam apenas de alimento ou para a agricultura desengane-se. Afinal as vacas também podem ser ajudar a travar o aquecimento global do planeta. 

Um relatório recente da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) revela que as emissões dos gases de estufa do setor da pecuária poderiam ser reduzidos para 30% se houvesse uma melhor utilização das tecnologias existentes. 

Ao todo, os gases associados às cadeias de fornecimento de gado representam 14,5% das emissões dos gases de efeito de estufa emitidos para a atmosfera. As principais fontes de emissão são na produção e processamento de alimento dos bovinos, durante a digestão feita pelos animais e quando ocorre a decomposição. 

Ren Wang, assistente do diretor geral da FAO, explica que é “imperativo que o setor comece a trabalhar agora para alcançar as reduções dos gases, de forma a ajudar a compensar os aumentos de emissões globais que o crescimento da produção de gado vai acarretar”. 

Mas agora, um grupo de cientistas está a tentar implementar um sistema inovador que promete revolucionar a indústria da pecuária. O Instituto Nacional de Agricultura e Tecnologia da Argentina (INTA) desenvolveu uma forma que permite transformar os gases de efeito de estufa libertados pelos bovinos em gás natural. 

Uma vaca é suficiente para dar energia a um frigorífico

De acordo com a Reuters, através do uso de válvulas, bombas e tubos ligados ao estômago do animal é possível canalizar os gases digestivos para um pequeno tanque colocado no dorso do mesmo. 

Os gases, vulgarmente chamados de “arrotos”, são depois processados para separar o metano dos outros gases como o dióxido de carbono. O metano é o principal componente do gás natural, usado na alimentação de plantas ou no abastecimento de automóveis. “Uma vez feita a sua compressão, é o mesmo que ter gás natural”, refere Guillermo Berra, investigador do INTA, em declarações à Reuters. 

Cada cabeça de gado emite entre 250 e 300 litros de metano puro por dia, energia suficiente para manter um frigorífico a funcionar por 24 horas. 

Guillermo Berra explica ainda que, atualmente o metano como fonte de energia não é muito prático mas se “olharmos para 2050, quando as reservas de combustíveis fósseis estiverem com problemas, é uma alternativa”. 

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close