Ciência

Cientistas terão descoberto a “partícula de Deus”

Uma nova partícula subatómica "coerente" com o bosão de Higgs, a chamada "partícula de Deus", que confere ordem e massa ao universo, foi descoberta por cientistas internacionais, sendo agora necessárias verificações para confirmar a informação.
Versão para impressão
Uma nova partícula subatómica “coerente” com o bosão de Higgs, a chamada “partícula de Deus”, que confere ordem e massa ao universo, foi descoberta por cientistas internacionais. O anúncio foi feito pelo Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (CERN) que sublinha, no entanto, que ainda são necessárias verificações para confirmar a informação.
 
“Superámos uma nova etapa na nossa compreensão da natureza”, afirmou Rolf Heuer, diretor geral do CERN, em comunicado. “Esta partícula permitirá descobrir outros mistérios do nosso Universo”, acrescentou o responsável.
 
Embora não tenha sido, até agora, garantido que esta seja a partícula em questão, os especialistas consideram esta descoberta histórica, uma vez que o bosão de Higgs tem sido procurado há cerca de quarenta anos.
 
Isto porque a partícula subatómica é considerada pelos físicos a chave para entender a estrutura fundamental da matéria, por atribuir massa a todas as demais segundo a teoria conhecida como “modelo padrão”, uma espécie de manual de instruções que descreve a forma como as partículas e as forças interagem.
 
Segundo Heuer, “a descoberta de uma partícula cujas caraterísticas são coerentes com as do bosão de Higgs abre o caminho para estudos mais profundos que necessitarão de mais estatísticas para estabelecer as suas propriedades”.
 
A investigação está a decorrer no Grande Colisionador de Hadrões (LHC), o maior acelerador de partículas do mundo localizado na sede do CERN, em Genebra, na Suíça. Trata-se de um túnel de 27 quilómetros de circunferência, instalado a 100 metros de profundidade, onde os físicos provocam o choque de biliões de protões com a esperança de encontrar o rasto do bosão. 
 
A história do bosão de Higgs começou em 1964, quando o físico britânico Peter Higgs, com os seus colegas Robert Brout e François Englert, postulou, por dedução, a sua existência – que os cientistas continuam a tentar comprovar.
 
Peter Higgs, atualmente com 83 anos, mostrou-se muito feliz com o anúncio da descoberta. “Estou estupefacto com a incrível velocidade com que os resultados foram obtidos”, afirmou, em comunicado divulgado pela Universidade de Edimburgo, na Escócia. 
 
“Nunca pensei assistir a algo assim em vida e vou pedir à minha família que coloque o champanhe no congelador”, completou o cientista que, à data da revelação, se encontrava, precisamente, em Genebra, no seminário do CERN. 

Clique AQUI para aceder ao comunicado do CERN (em inglês).

[Notícia sugerida por Sofia Baptista]

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close