Ciência

Cientistas salvam bebé com ajuda de impressora 3D

O pequeno Kaiba, com pouco mais de um ano de idade, ganhou uma nova oportunidade de vida depois de lhe ter sido implantada uma prótese, feita a partir de uma impressora 3D, que o ajuda a respirar.
Versão para impressão
O pequeno Kaiba, com pouco mais de um ano de idade, ganhou uma nova oportunidade de vida depois de lhe ter sido implantada uma prótese, feita a partir de uma impressora 3D, que o ajuda a respirar. Cientistas norte-americanos inverteram a pouca esperança dos médicos e criaram um dispositivo que reabilitou por completo a anomalia dos brônquios do bebé.

Uma má formação dos brônquios impossibilitava o ar de chegar aos pulmões da criança que estar sistematicamente ligada a um ventilador. A solução apresentada pelos investigadores da Universidade de Michigan seria introduzir um implante de uma traqueia de Kaiba para retificar o problema e deixar o ar circular.

Image and video hosting by TinyPic A operação foi um sucesso. O menino foi submetido a uma cirurgia em Fevereiro de 2012 e, hoje, o seu organismo está completamente adaptado ao implante. Por ser constituído por organismos vivos, ao fim de três anos a prótese (à esquerda) vai ser absorvida pelo corpo de Kaiba e passará a ser parte integrante dele.

“Foi incrível. Assim que a prótese foi introduzida, os pulmões começaram a ir para cima e para baixo pela primeira vez e nós soubemos que tudo iria correr bem”, explica num comunicado da Universidade de Michingan, Glenn Green, professor de Otorrinolaringologia Pediátrica.

Em conjunto com o seu colega Scott Hollister, o investigador desenhou o modelo de uma traqueia e dos brônquios em computador, que depois foi concretizado através da ajuda de uma impressora 3D a laser. Vinte e um dias após a implantação deste modelo no corpo do bebé, Kaiba pôde finalmente sair do ventilador.

“O caso do Kaiba é definitivamente o auge da minha carreira até agora. Construir algo que um cirurgião pode utilizar para salvar a vida de alguém? É um sentimento tremendo”, admite Scott Hollister.

Os dois investigadores da Universidade de Michingan já utilizaram a mesma técnica de produção em 3D para devolver estruturas de orelhas, narizes e mesmo de ossos para outros pacientes.

Esta nova conquista que garantiu uma nova oportunidade de vida a Kaiba poderá ajudar mais crianças em todo o mundo que nascem com a mesma condição – a traqueobroncomalacia severa que, muitas vezes, conduz à morte.

Segundo a universidade norte-americana, um em cada 2.200 bebés nascem com traqueobroncomalacia (dos quais 10% são casos severos como o de Kaiba) que muitas vezes é confundida com asma e que, por isso, tende a não receber o tratamento correto.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close