Em Destaque Mundo

Cientistas internacionais investigam campo de estudo em Moçambique

Investigadora portuguesa integra a equipa
Versão para impressão
por redação

O Parque Nacional da Gorongosa, devastado e perante um fim iminente, conseguiu inverter a perda da sua vida selvagem e tornou-se num centro de investigação de cientistas de elite atraídos por um campo de estudo no centro de Moçambique.

São cerca de 75 investigadores de 23 países e de alguns dos principais centros de conhecimento – Harvard, Princeton, Berkeley Oxford, Coimbra – que estudam formigas, elefantes, leões, plantas, entre outros.

Marc Stalmans, diretor científico do PNG, que descobriu o Parque há mais de dez anos ficando logo “esmagado” pelo seu “cenário majestoso” diz que “A Gorongosa oferece tremendas oportunidades para a investigação”.

A portuguesa Susana Carvalho e a sua equipa têm como ponto de partida a localização da área mais importante de Moçambique, situada no extremo sul do vale do Rift que se estende para norte através do Malauí, da Tanzânia e do Quénia até à Etiópia, onde foram descobertos os achados mais importantes sobre os primeiros antepassados do Homem.

Numa entrevista à Lusa, a cientista refere “ A Gorongosa é a única do Rift que ainda não foi estudada em termos de evolução humana”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close