Ciência

Cientistas gravam 700 terabits num grama de ADN

Esqueçam as 'pen drive' e os discos rígidos. Um bioengenheiro e um geneticista do Instituto Wyss, ligado à Harvard Medical School (EUA), conseguiram armazenar 5.5 petabits (mais de 700 terabits) de dados num único grama de ADN.
Versão para impressão

As 'pen drive', os discos rígidos e talvez até os tradicionais servidores podem ter os dias contados. Um bioengenheiro e um geneticista do Instituto Wyss, ligado à Harvard Medical School (EUA), conseguiram armazenar 5.5 petabits (mais de 700 terabits) de dados num único grama de ADN.

Esta proeza, realizada pelos investigadores George Church e Sriram Kosuri e divulgada em Setembro na revista Science, foi possível graças à conversão dos filamentos de ADN (cada um com 96 bits) em valores binários. A base de cada filamento (TGAC) passou, assim a corresponder aos números 0 e 1, como nos dados informáticos (T e G = 1, A e C = 0).

 

Com um valor binário atribuído a cada uma das bases, os investigadores conseguiram criar uma sequência facilmente descodificável, transformando o ADN numa espécie de chip, abrindo assim caminho a uma possível alternativa de armazenamento de quantidades massivas de dados. A margem de erro no processo de conversão dos dados foi de apenas 10 bits corrompidos.

A utilização de ADN para armazenar dados não é uma novidade – afinal, é no ADN que se encontra toda a informação genética. Mas, com esta nova técnica, a equipa de Church e Kosuri conseguiu aumentar 1.000  vezes a capacidade de armazenamento dos filamentos, comparando com experiências semelhantes feitas anteriormente.

Desta vez, os investigadores conseguiram registar 70 mil milhões de cópias (com textos, imagens e códigos HTML) do novo livro de George Church – “Regenesis: How Synthetic Biology Will Reinvent Nature and Ourselves in DNA” – num único grama de ADN.

Revolução do armazenamento digital

Embora o processo de gravação e leitura de chips feitos de ADN seja mais lento do que os tradicionais, a sua impressionante capacidade de armazenamento pode revolucionar o futuro do mundo digital. Segundo a equipa, em teoria, quatro gramas de ADN seriam capazes de armazenar toda a informação digital criada pela humanidade ao longo de um ano.

Os investigadores salientam ainda que esta técnica tem a vantagem de preservar a informação durante mais tempo já que os dados gravados em ADN podem ser guardados, sem serem corrompidos, durante cerca de 3.5 mil milhões de anos. Além disso, o ADN tem como base um código universal que deverá ser facilmente interpretado por gerações futuras.

O problema para o uso imediato da tecnologia é o custo atual dos sistemas de sequenciamento de ADN, considerado elevado relativamente aos metodos de armazenamento tradicionais. A equipa prevê que poderá demorar cerca de 10 anos para que o registo de dados em ADN substitua os disco rígidos e as 'pen drive'.

Clique AQUI para aceder ao comunicado do Instituto Wyss.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close