Ciência

Chuva de estrelas ilumina os céus na segunda-feira

Na próxima segunda-feira, uma chuva de estrelas cadentes vai iluminar os céus e vai ser visível em vários pontos do globo, nomeadamente em Portugal. O espetáculo será originado pela passagem da Terra pela órbita do cometa "Halley".
Versão para impressão
Na próxima segunda-feira, uma chuva de estrelas cadentes vai iluminar os céus e vai ser visível em vários pontos do globo, nomeadamente em Portugal. O espetáculo será originado pela passagem da Terra pela órbita do cometa “Halley”, que ocorre, anualmente, no dia 6 de Maio.
 
De acordo com informações avançadas pelo Observatório Astronómico de Lisboa (OAL), este fenómeno, que será observável no nosso país por volta da meia-noite, poderá ser visto na sua plenitude fora das áreas urbanas – mais especificamente no campo – e com céu limpo. 
 
Cientificamente denominada “chuva de meteoros”, a chuva de estrelas cadentes acontece quando a Terra cruza um enxame de meteoroides, “objetos sólidos que se deslocam no Espaço interplanetário” com “dimensões consideravelmente mais pequenas do que as de um asteróide e bastante maiores do que as de um átomo ou molécula”.
 
Segundo o OAL, os meteoros são fenómenos luminosos resultantes da entrada na atmosfera da Terra de um corpo sólido proveniente do espaço; o corpo aquece, ioniza a atmosfera e deixa um rasto de luz.

Fenómeno está associado ao cometa “Halley”
 

Esta segunda-feira, quando a Terra cruzará o enxame de meteoroides “Aquáridas”, a chuva de estrelas, com uma média de 60 meteoros por hora, atingirá o seu pico. Em declarações à Lusa, Rui Agostinho, diretor do OAL, explicou que o fenómeno surge associado ao cometa “Halley”.
 
Naquela ocasião, o nosso planeta vai passar na mesma zona em que se encontra o cometa, que deixou um rasto de poeiras a flutuar no Espaço, depois de o gelo que o compõe e ao qual as poeiras estavam agregadas ter transitado para o estado gasoso, por sublimação. A Terra, atravessa, portanto, “as poeiras deixadas pelo cometa” à passagem pela sua trajetória, esclareceu.
 
O enxame de meteoroides “Aquáridas” não é, no entanto, o mais importante: na lista dos mais relevantes estão o “Quadrântidas”, o “Perseidas”, o “Leónidas” e o “Geminídias”, com picos de atividade a 4 de Janeiro, 12 de Agosto, 18 de Novembro e 14 de Dezembro.
 
O “Leónidas”, associado ao cometa “Tempel-Tuttle”, é considerado o enxame que mais chuvas de estrelas cadentes espetaculares tem desencadeado, com uma  média de 100 meteoros por hora. 
 
Ainda assim, o OAL alerta que nem todas as chuvas de estrelas estão ligadas a cometas ou ocorrem de  noite. A “Gemínidas”, por exemplo, está associada ao asteroide (corpo rochoso e metálico)  “Faetonte” e a “Ariétidas” acontece de dia. 

Notícia sugerida por Carla Neves

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close