Mundo

Chile: perfuradora aproxima-se dos mineiros

Uma das três perfuradoras a operar na mina de San José, onde 33 homens estão presos há dois meses, já está a 130 metros do seu objetivo. Pelo menos, foi essa a informação divulgada pelo engenheiro encarregado das operações de resgate no seu Twitter:
Versão para impressão
[Fotografia: © REUTERS/Chilean Government/Handout]

Uma das três perfuradoras a operar na mina de San José, onde 33 homens estão presos há dois meses, já está a 130 metros do seu objetivo. Pelo menos, foi essa a informação divulgada pelo engenheiro encarregado das operações de resgate no seu Twitter: “Passámos os 500 metros no plano B”, escreveu.

O pesadelo parece estar cada vez mais perto do fim e, segundo as últimas previsões, é possível que termine muito antes do previsto. Ainda assim, quando a perfuração terminar, é preciso avaliar a segurança das paredes do poço e só então a equipa decide se procede ou não ao seu revestimento com um tubo de metal.

“Temos de fazer as coisas lentamente, porque não deve haver nenhuma falha, caso contrário a cápsula de resgate pode ficar presa”, disse à EFE Omar Gallardo, engenheiro de Minas da Universidade de Santiago.

Quando o resgate avançar, os mineiros serão assistidos por três enfermeiros voluntários, com treino específico para esta situação, que serão enviados para o local onde os homens estão presos com o objetivo de ajudar ao salvamento a partir do interior do poço.

No momento em que chegarem, finalmente, à superfície, cada um dos mineiros será equipado com óculos especiais para se proteger da luz do sol, evitando quaisquer danos oculares decorrentes de terem permanecido debaixo da terra e com pouca luz durante mais de dois meses.

Os óculos “protegem contra todos os raios ultravioleta, contra todos os graus de luz que há, contra luzes muito fortes e permitem a adaptação progressiva do olho à luminosidade, depois de um longo tempo na penumbra ou com pouca luz”, explicou Alejandro Pino, gerente regional da Associação Chilena de Segurança (ACHS), em declarações à AFP.

O equipamento, comercializado por 450 euros, foi doado por uma empresa norte-americana.

Comentários

comentários

Pub

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close