Ciência

Cheiro da natureza ajuda a reduzir risco de cancro

Cientistas japoneses provaram que passear entre a natureza e entrar em contacto com os elementos que o rodeiam reduz a pressão arterial e aumenta as moléculas anticancro na corrente sanguínea do corpo humano.
Versão para impressão
Passear na natureza pode melhorar substancialmente a saúde do ser humano. Quem o garante é uma equipa de cientistas japoneses que conseguiram provar que sentir o cheiro da natureza reduz a pressão arterial e aumenta as moléculas anticancro na corrente sanguínea.
 
Os investigadores da universidade Nippon Medical School, em Tóquio, estudaram os efeitos que óleos essenciais e aerossóis emitidos por plantas e árvores podem ter no corpo humano. As conclusões deste estudo revelam que o contacto com a natureza reduz drasticamente o stress sobre o sistema nervoso.
 
Segundo a revista norte-americana The Atlantic Cities, Qing Li, especialista em higiene e saúde pública daquela universidade, afirma que as caminhadas na floresta ativam as células do sistema imunitário responsáveis pelo combate a infeções e ao cancro. O especialista pretende agora comprovar que o cheiro das árvores é o principal agente nestas alterações no organismo humano.

Natureza reforça ação do sistema imunitário
 
“Comprovámos que o ambiente da floresta impulsiona as proteínas intracelulares anticancro dos linfócitos e aumenta a atividade destas células durante um período de sete dias depois da realização da caminhada, tanto em sujeitos do género masculino como do género feminino”, explica a equipa no estudo.

Os linfócitos são células presentes no sistema imunitário do corpo humano que defendem o organismo contra invasão de agentes estranhos. Para além destes benefícios, os passeios entre a natureza podem ainda reduzir o stress sobre o sistema nervoso.
 
O estudo foi desenvolvido com a ajuda de doze voluntários, entre os 37 e os 60 anos, que permaneceram num hotel numa zona urbana do Japão por três noite, entre as 19 horas da tarde e as 8 horas da manhã.

Ao longo deste período, os participantes foram vaporizados com um humidificador que continha substâncias presentes nas plantas das florestas tendo a experiência revelado, em análises ao sangue e urina, as alterações provenientes do contacto com esses compostos.

 
Qing Li e alguns dos seus colegas criaram a International Society of Nature and Forest Medicine, uma instituição que se baseia na natureza e nas suas propriedades para ajudar na cura de doenças e desenvolver terapias medicinais em todo o mundo.

[Notícia sugerida por Vítor Fernandes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close