Ciência

Champalimaud: Dois cientistas vencem bolsa mundial

Os cientistas Carlos Ribeiro e Alfonso Renart, que integram o Programa de Neurociência da Fundação Champalimaud, venceram uma bolsa internacional de um milhão de dólares, cada um, para aplicarem nos seus projetos de investigação.
Versão para impressão
Os cientistas Carlos Ribeiro e Alfonso Renart, que integram o Programa de Neurociência da Fundação Champalimaud, venceram uma bolsa internacional de um milhão de dólares (cerca de 783 mil euros), cada um, para aplicarem nos seus projetos de investigação.

Segundo o comunicado da fundação, divulgado na passada sexta-feira, a bolsa – que tem a duração de três anos – foi atribuída pela Human Frontier Science Program (HFSP), uma instituição com sede em Estrasburgo que promove a ciência de ponta.

A HFSP oferece este tipo de bolsas aos projetos que se debrucem sobre os complexos mecanismos dos organismos vivos. As ajudas dividem-se em dois tipos: as destinadas aos Jovens Investigadores, que tenham estabelecido laboratório próprio nos cinco anos anteriores, e as reservadas aos Cientistas Principais, aqueles que estejam numa fase mais avançada da carreira.

Carlos Ribeiro estuda escolha dos alimentos por parte dos animais

Carlos Ribeiro beneficiou de uma das bolsas destinadas a Cientistas Principais graças à sua investigação que visa descobrir como se processa a escolha dos alimentos por parte dos animais, nomeadamente a mosca da fruta, “Drosophila Melanogaster”, com base nas necessidades de nutrientes.

Este incentivo da HFSP permitirá ao investigador avançar com a aquisição de colaboradores e materiais essenciais. O projeto está a ser desenvolvido em conjunto com cientistas do Colégio Imperial de Londres e da Universidade de Washington.

Renart estuda memória a curto prazo

Alfonso Renart, natural de Madrid, Espanha, foi um dos oito cientistas a receber a bolsa para Jovens Investigadores. O projeto que lidera na Fundação Champalimaud estuda a memória a curto prazo e a maneira como lesões no cortéx pré-frontal podem afetar esta memória.

A investigação, que procura entender como se processa esta função cognitiva, debruça-se sobre os circuitos neurológicos do córtex pré-frontal, um trabalho inovador uma vez que, até agora, apenas tinha sido estudado o comportamento dos neurónios isolados.

O estudo de Alfonso Renart conta com a colaboração do Imperial College de Londres e do Instituto de Ciência e Tecnologia da Coreia do Sul.

Este ano o HFSP recebeu 800 candidaturas para as bolsas, das quais 96 passaram à segunda fase. Destas últimas foram selecionadas as equipas que acabariam por receber as ajudas, cujos laboratórios se situam em 20 países por todo o mundo, incluindo Austrália, Ásia, América do Norte e Europa.

Clique AQUI para aceder ao comunicado de imprensa da Fundação.

[Notícia sugerida por Patrícia Guedes]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close