Saúde

Cérebro: Vídeojogos podem ter efeitos terapêuticos

Jogar vídeojogos leva ao aumento das regiões do cérebro responsáveis pela orientação espacial, a formação da memória e o planeamento estratégico e ajuda a afinar as competências motoras, tendo potencial como terapia em doenças neurológicas.
Versão para impressão
Jogar vídeojogos leva ao aumento das regiões do cérebro responsáveis pela orientação espacial, a formação da memória e o planeamento estratégico e ajuda a afinar as competências motoras. A conclusão é de um novo estudo alemão, que revela que os jogos de vídeo têm elevado potencial para serem utilizados como forma de intervenção terapêutica em doenças neurológicas e psiquiátricas.
 
Com o objetivo de avaliar como estes jogos afetam o cérebro, investigadores do Max Planck Institute for Human Development e da Universidade St. Hedwig-Krankenhaus, em Berlim, pediram a um grupo de adultos que jogassem o popular “Super Mario 64” durante meia hora por dia ao longo de dois meses. Durante o estudo, um outro grupo não jogou qualquer vídeojogo.
 
A equipa quantificou, depois, o volume cerebral dos participantes através da realização de ressonâncias magnéticas e constatou que, em comparação com o grupo de controlo, o grupo de voluntários que jogou “Super Mario” beneficiou de um aumento no volume de matéria cinzenta do cérebro ao nível do hipocampo direito, do córtex pré-frontal direito e do cerebelo.
 
Segundo os especialistas, trata-se de regiões do cérebro envolvidas em funções como a orientação espacial, a formação de memória, o planeamento estratégico e os movimentos das mãos e os benefícios foram tanto maiores quanto o desejo dos participantes de jogar o vídeojogo em causa. 
 
“Ao passo que os estudos anteriores não mostraram diferenças na estrutura do cérebro de quem joga vídeojogos, a investigação atual consegue demonstrar uma relação causal entre este hábito e um aumento do volume do cérebro, o que prova que determinadas regiões cerebrais podem ser treinadas através dos jogos”, afirma Simone Kühn, coordenadora do estudo, em comunicado.
 
Kühn e os colegas acreditam, portanto, que, por induzirem a plasticidade natural do cérebro, os vídeojogos podem vir a ser usados terapeuticamente com bons resultados em pacientes com doenças psiquiátricas e neurológicas em consequência das quais se observam alterações ou reduções no tamanho do cérebro, como a esquizofrenia, o stress pós-traumático ou o Alzheimer.
 
“Muitos pacientes aceitarão mais facilmente os vídeojogos [como terapêutica] do que outras intervenções médicas”, realça Jürgen Gallinat, da Universidade de St. Hedwig-Krankenhaus, co-autor do estudo publicado na revista científica Molecular Psychiatry.
 
Os investigadores estão agora a planear estudos mais aprofundados acerca do efeito dos vídeojogos em pacientes com problemas ao nível da saúde mental, estando já a decorrer uma pesquisa acerca da utilização de jogos de vídeo no tratamento do stress pós-traumático.

Clique AQUI para aceder ao resumo do estudo (em inglês).

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close