Saúde

Cérebro: Médico português no maior centro mundial

Um psiquiatra português vai ingressar no maior centro mundial de estudo do cérebro, em Los Angeles, nos EUA, depois de se ter tornado o primeiro no nosso país a ganhar uma bolsa internacional para a investigação do mapa cerebral por jovens.
Versão para impressão
Um psiquiatra português vai ingressar no maior centro mundial de estudo do cérebro depois de se ter tornado o primeiro no nosso país a ganhar uma bolsa internacional para a investigação do mapa cerebral por jovens do NARSAD (Aliança Nacional de Pesquisa sobre Esquizofrenia e Depressão) de Los Angeles, nos EUA.
 
Tiago Reis Martins irá, agora, estudar ligações entre neurónios e informações genéticas para perceber qual o medicamento adequado a cada paciente com surto psicótico e as possibilidades de prevenir a doença.
 
A distinção vai, portanto, permitir ao médico português aprofundar o trabalho que tem vindo a desenvolver nesta área no Instituto de Psiquiatria do Kings College, em Londres, através do qual estudou as alterações nas ligações de doentes com surtos psicóticos. 
 
“Vou trabalhar com o maior centro mundial no mapeamento cerebral, onde se tenta reconstruir quase fio por fio as ligações cerebrais; vou trabalhar com matemáticos e engenheiros para criar modelos matemáticos e 'software'”, de modo a compreender o funcionamento do cérebro, resume Tiago Reis Marques, em declarações à Lusa.
 
O objetivo do investigador é integrar dados acerca do funcionamento das ligações entre neurónios e as caraterísticas herdadas por cada pessoa, de modo a aumentar a probabilidade de acertar a terapêutica correta para cada caso e mesmo prevenir o aparecimento do primeiro surto psicótico. 

Português quer integrar informação genética na análise
 

De acordo com Tiago Reis Marques, a tecnologia atual permite já, “com uma imagem das ligações cerebrais [obtida através de ressonância magnética]”, prever “que alguns doentes vão responder a uma determinada medicação enquanto outros não, e traduzir isso numa aplicação prática”.
 
Porém, com a nova bolsa, o psiquiatra português quer abranger mais variantes na sua análise e “não só olhar para os fios de ligação entre neurónios, mas também integrar informação genética e informação funcional, ou como os neurónios respondem a determinados estímulos”, salienta.
 
Em última instância, pretende-se “utilizar o grande conjunto de dados já existente, não só para prever resposta à terapêutica, mas também para outras coisas como prever risco” de, perante determinadas caraterísticas e condições, alguém vir a ter uma doença psicótica, apostando na medicina mais preventiva e prognóstica, esclarece o investigador.
 
“O tratamento de um paciente com uma psicose custa milhares de euros e cada dia que passa sem o doente responder é um grande fardo para o sistema nacional de saúde e para o doente”, sublinha. 
 
Como tal, a aplicação prática de prognóstico será uma boa solução para obter uma resposta acerca do fármaco indicado e da dose adequada a cada situação, tornando a terapia mais eficaz.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Mais recentes

Passatempos

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close