Negócios e Empreendorismo

Castanha atrai investimento de 10 milhões de euros

O setor da castanha está a atrair novos investimentos nacionais e internacionais à região transmontana. Os novos projetos em curso já rondam os 10 milhões de euros e metade é aposta do mercado estrangeiro.
Versão para impressão
O setor da castanha está a atrair novos investimentos nacionais e internacionais à região transmontana. Os novos projetos em curso já rondam os 10 milhões de euros e metade é aposta do mercado estrangeiro.
 
Em 2012, a castanha contribuiu com 17,5 milhões de euros para as exportações portuguesas e, segundo Manuel Cardoso, diretor regional de Agricultura e Pescas do Norte, é “o único setor que, neste momento, está a fazer com que haja incorporação de capital estrangeiro nos investimentos na região”.
 
Em declarações à Lusa, o responsável realçou que os novos investimentos “têm uma componente associada que é muito promissora em termos de postos de trabalho”, com uma laboração menos sazonal ao trabalharem com outros produtos. 
 
Manuel Cardoso perspetiva que os novos projetos “venham a possibilitar o aparecimento de dezenas de postos de trabalho, talvez cinco dezenas durante já o próximo ano”. Na região onde se concentram quase 30 mil dos 35 mil hectares de soutos nacionais, já existem várias unidades industriais e organizações de produtores que comercializam e transformam a castanha, que correspondem a 80 por cento das 19 mil toneladas de produção anual de castanha.
 
Das quatro “Denominações de Origem Protegida” (DOP) para a castanha que existem em Portugal, três centram-se em Trás-os-Montes: a Castanha da Terra Fria, Castanha da Padrela e Castanha dos Soutos da Lapa.
Em menos de três décadas, o castanheiro passou de “árvore do pão” – que alimentava os mais pobres da população rural do interior – a fonte de riqueza, com real expressão económica no rendimento agrícola familiar.
 
Hoje em dia, a castanha é aceite no mercado como um “artigo de luxo” e aquela que é produzida na região de Trás-os-Montes destina-se essencialmente à exportação para países como Itália, Brasil, França, Suíça, Canadá, Alemanha, Holanda, Luxemburgo, Bélgica, Espanha, Angola, Estados Unidos da América, Áustria, Cabo Verde, entre outros.
 
A área de soutos de castanheiros mais do que duplicou em Portugal, com especial expressão nos últimos dois anos, mas o diretor regional acredita que ainda é possível duplicar este número e tornar o país mais competitivo em relação a outros países produtores.
 
“Estou a apelar aos jovens e a todas as pessoas que tenham terrenos disponíveis e que não precisem da sua utilização imediata. Os castanheiros não começam a produzir no ano em que são plantados, começam a produzir apenas alguns anos depois. Acho que nós devemos tomar isso como sendo um investimento estratégico para a nossa região”, afirmou.

Notícia sugerida por Maria Pandina e Elsa Fonseca

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close