Saúde

Casamento reduz risco de ataque cardíaco

O casamento parece reduzir o risco de ataque cardíaco em homens e mulheres, concluiu um novo estudo realizado na Finlândia. A investigação vem corroborar trabalhos anteriores que tinham provado que ser solteiro aumenta as probabilidades.
Versão para impressão
O casamento parece reduzir o risco de ataque cardíaco em homens e mulheres, concluiu um novo estudo realizado na Finlândia. A investigação vem corroborar trabalhos anteriores que tinham provado que ser solteiro ou viver sozinho aumenta as hipóteses de desenvolver e morrer de doença cardiovascular, mas apresenta resultados mais amplos por não se cingir apenas ao sexo masculino.
 
“O nosso estudo sugere que o casamento reduz o risco de episódios coronários agudos e de morte em consequência desses episódios tanto em homens, como em mulheres de todas as idades”, explicou ao portal Healthy Day a coordenadora do estudo, Aino Lammintausta, do Turku University Hospital.
 
“Em especial entre os homens e mulheres de meia-idade, estar casado ou viver com alguém surge também associado a um melhor desfecho quando se verifica um desses episódios, aumentando as probabilidades de o paciente chegar com vida ao hospital”, acrescentou Lammintausta.
 
Para este estudo, publicado esta semana no European Journal of Preventive Cardiology, a equipa recolheu dados de mais de 15.300 pessoas que sofreram ataques cardíacos entre 1993 e 2002. Entre esses pacientes, 7.700 morreram até 28 dias após o incidente.
 
Os investigadores observaram que os homens solteiros tinham entre 58% a 66% mais probabilidades de ter um ataque cardíaco dos que tinham contraído matrimónio. Já nas mulheres, esta probabilidade ascendia a valores entre os 60% e os 65%.
 
A hipótese de morrer num dos 28 dias seguintes a um ataque cardíaco mostrou ser ainda maior para os homens e mulheres solteiros: 60% a 168% mais alta para os homens em comparação com aqueles que eram casados e 71% a 175% superior para as mulheres. Os resultados foram semelhantes independentemente da faixa etária dos voluntários.

Casais têm tendência a ter uma vida mais saudável
 

Os cientistas não conseguiram ainda descobrir, com certezas, o que dá este caráter “preventivo” ao casamento, mas sugerem algumas possibilidades. 
 
De acordo com a equipa de Lammintausta, as pessoas solteiras tendem a ter uma pior saúde, ao passo que aqueles que são casados têm tendência a uma vida mais equilibrada financeiramente e também mais saudável, além de terem mais amigos e apoio social, o que promove o bem-estar.
 
Além disso, as pessoas casadas têm também, em teoria, mais facilidade no acesso a uma ambulância, já que o parceiro pode dar o alerta antecipadamente. Segundo os investigadores, os elementos de um casal tendem a receber melhores cuidados, tanto no hospital como após terem alta.
 
As justificações para estes resultados terão de ser, no entanto, estudadas de forma mais aprofundada para tentar explicar o facto de o casamento (ou a partilha da vida com um parceiro, mesmo sem matrimónio) proteger contra os ataques cardíacos.
 
Os investigadores vão também tentar estabelecer uma relação causa-efeito entre o estado civil, a incidência de ataques cardíacos e a taxa de sobrevivência.

Clique AQUI para aceder ao estudo completo (em inglês).

[Notícia sugerida por Elsa Martins]

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close