Sociedade

Casaco de cortiça portuguesa em destaque em Milão

Um casaco feito com cortiça portuguesa é, atualmente, uma das principais atrações do Salão do Móvel em Milão. A criação resulta da parceria entre a corticeira Amorim e o designer Todd Bracher e faz parte da seleção da prestigiada revista de design e
Versão para impressão
Um casaco feito com cortiça portuguesa é, atualmente, uma das principais atrações do Salão do Móvel em Milão. A criação resulta da parceria entre a corticeira Amorim e o designer Todd Bracher e faz parte da seleção da prestigiada revista de design e arquitetura 'Wallpaper' dos 100 objetos mais inovadores, integrados na coleção 'Handmade'.
 
A escolha da cortiça enquanto material têxtil foi motivada pela exposição 'Metamorphosis', que a ExperimentaDesign teve patente no Mosteiro dos Jerónimos e a propósito da qual a editora de arquitetura da revista britânica, Ellie Stathaki, reconheceu “o imenso potencial” da casca do sobreiro.
 
Para a concretização de um objeto inovador nesse material, a Wallpaper convidou, então, a corticeira portuguesa Amorim e o estúdio do 'designer' industrial norte-americano Todd Bracher, que tem vindo a desenvolver projetos com criadores como Tom Dixon e Georg Jensen, e com marcas como a 3M e Capellini.
 
“Apaixonámo-nos imediatamente pela cortiça mal ela chegou cá, porque é algo diferente de tudo o que conhecemos antes”, conta Todd Bracher no vídeo de apresentação do projeto. “Parte do desafio foi superar a sua rigidez, que é tipo a do couro ou até da ganga, mas isso traz-lhe peso e uma espécie de resistência. Além disso, o calor deste material é qualquer coisa de fascinante”.


Da exploração dessas características resultou o casaco 'Corkwear'. “Embora se possa pensar que a cortiça é um material antigo e primitivo, é bastante técnica para esta utilização”, defende o norte-americano. “Poderia ser facilmente esquecida, mas agora tenho um novo apreço por ela”.

Segundo Carlos de Jesus, diretor de Comunicação e Marketing da Corticeira Amorim, a produção de vestuário é um segmento em que a utilização de cortiça tem vindo a crescer. “Ainda na terça-feira a Nike apresentou o segundo modelo de ténis de cortiça, depois de ter lançado os Nike LeBron James”, avança à Lusa.
 
“Temos vinto a assistir, de forma abrangente, à utilização da cortiça por grandes marcas de calçado, como, por exemplo, Stella McCartney, Christian Louboutin e Dolce & Gabanna. Agora, essa tendência também já foi abraçada pela indústria do vestuário, pela mão de nomes consagrados como Diane Von Furstenberg e criadores emergentes como Suzaan Heyns”.
 
Impermeabilidade, proteção térmica, leveza e durabilidade são algumas das qualidades técnicas valorizadas pelos estilistas. Por isso, embora o custo dos têxteis à base de sobreiro seja “ligeiramente superior ao de um tecido normal”, Carlos de Jesus considera que esse acréscimo “se justifica, pela performance técnica e também pela diferenciação estética conseguida pela inclusão de cortiça”.

Comentários

comentários

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close