Espetáculos e Exposições

Carpe Diem reúne obras de cinco artistas

Fotografia, vídeo, animação, desenhos em papel e escultura são os formatos em que cinco artistas - os portugueses Ângela Ferreira, Catarina Leitão e Daniel Blaufuks e os espanhóis Álvaro Negro e Javier Peñafiel - apresentam os seus trabalhos, reunido
Versão para impressão
Fotografia, vídeo, animação, desenhos em papel e escultura são os formatos em que cinco artistas – os portugueses Ângela Ferreira, Catarina Leitão e Daniel Blaufuks e os espanhóis Álvaro Negro e Javier Peñafiel – apresentam os seus trabalhos, reunidos no quarto programa de exposições do Carpe Diem Arte e Pesquisa.

Rachel Korman, diretora de comunicação e curadora do Carpe Diem, explica ao Boas Notícias quais são os denominadores comuns presentes nas obras de artistas tão distintos: “Um é a memória, onde trabalha o Daniel Blaufuks e o Javier Peñafiel. O outro é a questão da arquitetura e da ocupação do espaço; aí vêm a Ângela Ferreira, a Catarina Leitão e o Álvaro Negro”. 

Palácio Pombal revisitado

Daniel Blaufuks, artista já premiado nos eventos BES Photo, PhotoEspaña e Loop, apresenta “A memória da memória”, onde se inserem um filme e uma série fotográfica. Ambos os trabalhos referem-se, respetivamente, às esferas pública e privada da memória.

“Nas fotografias, as memórias estão escondidas porque são latas de filmes que as pessoas fizeram para servirem de recordações, portanto só poderemos aceder a elas se abrirmos as latas e virmos os filmes que contêm. No caso do filme, é a memória do próprio espaço do Carpe Diem. No seu início está uma lata igualzinha a estas [das fotografias], que poderia ter ficado fechada e neste caso não ficou”, refere o artista ao Boas Notícias.

Por outro lado, “Monólogo jardim, palácio polifonia” trata das experiências pessoais vividas no palácio onde hoje se situa o Carpe Diem, documentadas numa animação com desenhos, fotografias e uma ópera em vídeo.

Em comunicado do Carpe Diem, Javier Peñafiel, autor da coleção, explica onde encontra a essência da sua arte: “Gosto de pensar que escrevo como se desenhasse e que desenho enquanto estou ouvindo. Pensar que os desenhos são polifónicos e encarnam uma bela ironia, porque um artista imita a voz de qualquer um”.

Arquitetura, natureza e viagem

Esta não é a primeira vez que Álvaro Negro expõe em Lisboa, tendo já exibido o seu trabalho na galeria Carlos Carvalho. O seu novo projeto intitula-se “Abro a janela e respiro o ar do fim do mundo” e, numa série de imagens que ilustram o olhar em permanente estado de passagem, cruza as dinâmicas da localização e deslocalização, do histórico e biográfico, do contemplativo e temporal, do belo e sublime.

Iniciado na cidade de Berlim, em 2007, o resultado da coleção assinada pelo artista espanhol ocupa toda a cave do Palácio Pombal.

A arquitetura como arma de intervenção política no espaço pós-colonial dá o mote a “Double Lecture” de Ângela Ferreira. Através de vídeo, fotografia e uma escultura / maquete, o público pode revisitar o período modernista e, ao mesmo tempo, conhecer o processo de pesquisa visual, conceptual e estilístico da artista nascida em Moçambique e que já exibiu alguns dos seus trabalhos em Barcelona, Londres, Chicago e Maputo.

Catarina Leitão traz as suas “Invasive Species” ao Carpe Diem e reconhece a influência deste espaço particular na sua obra: “É um espaço fortíssimo, arquitetonica e historicamente. O facto de estar assim tão degradado também tem uma presença fortíssima e tem sido muito interessante estabelecer esse diálogo entre o meu trabalho, que é muito limpo e quase minimal, com uma estrutura tão forte e tão ruidosa”.

A instalação da artista que se divide entre Lisboa e Nova Iorque foca-se em questões relacionadas com a integração da natureza no espaço construído – e vice-versa -, através de desenhos feitos em papel.

Divulgar a arte, sem fins lucrativos

Situado no número 79 da emblemática Rua de O Século, o Carpe Diem, organismo independente e sem fins lucrativos, tem vindo a trabalhar como plataforma de pesquisa, experimentação e estudos no âmbito das artes contemporâneas. A EGEAC/MCM, entidade detentora do edifício onde está instalado o organismo, é também parceira no desenvolvimento das atividades do Carpe Diem, financiadas pelo Ministério da Cultura.

Este quarto programa de exposições foi inaugurado no dia 26 de março e pode ser visto até 29 de maio, de quarta-feira a sábado, das 14h00 às 20h00. A entrada é livre.

Débora Cambé

Comentários

comentários

Etiquetas

PUB

Live Facebook

Correio do Leitor

Subscreva a nossa Newsletter!

Receba notícias atualizadas no seu email!
* obrigatório

Pub

Este site utiliza cookies. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização. Saiba mais aqui.

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close